quarta-feira, 20 de maio de 2020

PERSEGUIÇÃO COMUNISTA À IGREJA

Posted: 29 Mar 2020 01:30 AM PDT

Dom Sviatoslav Shevchuk, Primaz do rito greco-católico,
o maior dos ritos orientais da Igreja Católica
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs

Em entrevista para a Catholic Radio and Television Network, o Arcebispo-mor de Kiev-Galícia e de toda a Rússia, Dom Sviatoslav Shevchuk, Primaz do Rito greco-católico na Ucrânia, fez reveladoras confidências sobre sua formação eclesiástica acontecida sob o socialismo soviético. “Zenit”

O rito greco-católico é o maior dos ritos orientais da Igreja Católica: mais de 10 milhões de fiéis, incluindo a Ucrânia e a diáspora. Cerca de meio milhão deles reside no Brasil, especialmente no Paraná e em Santa Catarina. 

Dom Sviatoslav explicou que cresceu numa sociedade totalmente ateia. Na escola “nos ensinavam que Deus não existia”. Só a família transmitia a fé crista. 

O jovem arcebispo disse que a primeira vez que viu um padre foi por ocasião de um enterro. 

“O sacerdote veio na calada da noite para celebrar o funeral e depois desapareceu velozmente. Como menino, fiquei curioso de saber quem era o sacerdote e o que estava fazendo. Eu entrevia nele um reflexo da presença de Cristo”. 

“Esse sacerdote tinha estado duas vezes no cárcere por praticar seu ministério e através dele descobri verdadeiramente Alguém e alguma coisa pela qual vale a pena dar a própria vida”.


Foi assim que o futuro bispo decidiu ir para o seminário. Mas não tinha nada a ver com os seminários atuais.

A entrevista abaixo foi concedida quando Dom Sviatoslav era administrador apostólico da eparquia (diocese) de rito ucraniano em Buenos Aires. Foi concedida à associação "Ajuda à Igreja Necessitada" e tem a vantagem de estar dublada em português:

Funcionava assim: “O sacerdote que encontrei também era reitor do seminário secreto, clandestino. Para mim, foi a descoberta de um mundo completamente novo.

“Meu modo de estudar era bem estranho. Raramente encontrava meus professores do seminário – pelo menos uma vez cada dois meses.

“Quando os encontrava, davam-me sempre um livro, que tinha de copiar e estudar durante dois meses. Assim começou minha formação sacerdotal! 

“Nem minha mãe nem meu pai estavam ao corrente. Se eu fosse descoberto pela polícia secreta, minha mãe, que era professora de música, e meu pai, que era engenheiro, teriam perdido o trabalho.

“Muitas pessoas na Ucrânia que foram descobertas acabaram detrás das grades ou no exílio. 

“Graças a Deus não aconteceu nada. Para mim e para meu plano de me tornar sacerdote, a Mãe de Deus tinha que destruir a União Soviética.

“Eu me lembro que rezava: é impossível para os homens destruir o mal, mas para Deus nada é impossível.



Missa clandestina num bosque na Ucrânia sob governo comunista


“A Sagrada Eucaristia era o ponto central da nossa vida.

“Lembro-me de um sacerdote que encontrei certa vez: ele jamais falava muito dos sofrimentos, das perseguições e das torturas; ele me contava que certas vezes na prisão todos os sacerdotes celebravam a liturgia. 

“Nós ficávamos pasmos: como é que isso era possível? De onde vinham o cálice e a patena? 

“Ele tirou os óculos e disse: ‘Eis o que nós usávamos: uma lente servia de cálice com uma gota de vinho, e na outra, que servia como patena, púnhamos um pedacinho de pão. Assim nós celebramos a liturgia na prisão ou nos campos de concentração”.


O atual arcebispo Sviatoslav participou pela primeira vez de uma missa no ano 1991, quando acabava de servir como conscrito no Exército Soviético. 

Quando ele entrou no Exército Vermelho toda a vida religiosa acontecia em segredo, mas ao sair a União Soviética estava caindo. Ele assistia à divina Liturgia na igreja de sua cidade natal de Strait, na Ucrânia.

“Era maravilhoso, sentia-me como no céu! A liturgia bizantina de São João Crisóstomo é um símbolo da liturgia celeste”, exclamou.

Dom Sviatoslav explicou que “o comunismo destruiu a nossa sociedade e que só por meio da graça do Espirito Santo é que a Igreja pode curar essas feridas. 

“Durante a ex-União Soviética era perigoso ser cristão. Hoje na Europa o importante é não ter medo de ser cristão, ainda quando isso pareça não ser ‘conveniente’”.


Só o heroísmo na Fé – como o de Dom Sviatoslav e o de tantos outros sacerdotes e bispos que padeceram e até morreram sob a opressão comunista – leva à vitória os verdadeiros filhos da Igreja Católica.





quinta-feira, 5 de março de 2020

RÚSSIA PRETENDE INVADIR A UCRÂNIA?

A Rússia enviou quase 90.000 soldados, 1.100 tanques, 2.500 veículos blindados de combate, 1.600 sistemas de artilharia e mísseis, 340 aviões de combate e outras armas e equipamentos para a fronteira com a Ucrânia.

 "No total, cerca de 87.000 a 90.000 militares (em particular, mais de 35.000 membros do 1º e 2º corpo de exército) das Forças Armadas da Rússia estão estacionados ao longo da fronteira da Ucrânia nas áreas temporariamente ocupadas de Donetsk, regiões de Luhansk  e Criméia. Existem também 1.100 tanques, 2.500 veículos blindados de combate, 1.600 sistemas de artilharia e mísseis, 340 aeronaves de combate, 240 helicópteros de combate, mais de 50 navios / barcos e 6 submarinos".

Vadym Skibitsky, representante do Diretório Principal de Inteligência  do Ministério da Defesa da Ucrânia, disse em entrevista aos meios de comunicação Obozrevatel.

 Ele observou, também, que esses grupos poderão ser fortalecidos por três centros de operações de mobilização que poderiam mobilizar cerca de 40.000 pessoas.  Nas imediações das fronteiras da Ucrânia, esses centros foram estabelecidos na cidade de Boguchar (região de Belgorod na Rússia), na cidade de Kamensk-Shakhtinsky (região de Rostov na Rússia) e na vila de Novoozerne no território da República Autônoma da  Crimeia.
03/03/2020.

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

HERÓIS DE KRUTY

01/28/2020, 09:55 – 175

Em 29 de janeiro de 1918, a batalha de Kruty ocorreu. Então, 600 estudantes ucranianos não apenas pararam o quarto milésimo exército dos bolcheviques, mas também desaceleraram a adesão da Ucrânia à Rússia "vermelha".



Desde 2004, a Ucrânia presta homenagem aos primeiros cyborgs no Dia da Memória dos Heróis de Kruty. Como uma das páginas mais trágicas e ao mesmo tempo lendárias foi inscrita na história da Ucrânia – no OBOZREVATEL
Dia Memorial dos Heróis de Kruty
Para comemorar os Heróis Kruty na Ucrânia em nível nacional, começou apenas em 2004. Em 2006, um memorial aos heróis foi erguido perto da estação ferroviária de Kruty e, em 2012, uma cruz memorial foi erguida no túmulo de Askold para Kruty Heroes.
A Batalha de Kruty é comparada pelo Instituto Ucraniano de Memória Nacional com a defesa do Aeroporto de Donetsk e chama os jovens que deram suas vidas pela liberdade da jovem Ucrânia os primeiros "cyborgs".
Memorial à memória dos Heróis de Kruty
Pré-requisitos para a batalha sob o Kruty
No final de dezembro de 1917, os bolcheviques se opuseram abertamente à existência da República Popular da Ucrânia. Para começar, eles criaram um fantoche "Governo Vermelho Ucraniano" em Kharkov, que declarou guerra à UNR.
Mais tarde, em apoio ao governo de Kharkiv, tropas de Moscou, Pedro etc. foram enviadas. Deve-se notar que, mesmo assim, mais de cem anos atrás, Moscou chamou sua agressão armada de "guerra civil".
Batalha do Kruty: curta
Um grupo de quatro mil bolcheviques mudou-se para Kiev, com o objetivo de capturar a capital ucraniana. Inicialmente, as forças da UNR detiveram o inimigo por algum tempo perto da estação ferroviária de Bakhmach, na região de Chernihiv, mas depois de alguns dias de combates violentos, os ucranianos recuaram para a estação de Kruty, com posições previamente preparadas. Foi em 29 de janeiro que os destacamentos bolcheviques se manifestaram sobre eles.
As tropas ucranianas, que assumiram a defesa sob Kruty, eram cerca de 300 caças do Student Smoker, 250 - a Primeira Escola Cossaca de Kiev e o Segundo Ginásio Ucraniano da Irmandade Kyrylo-Mefodiyevsky. Eles também foram ajudados por cerca de 80 voluntários locais, "cossacos grátis".
A luta durou até o final da noite de 29 de janeiro. Os ucranianos repeliram vários ataques, mas as perdas foram muito grandes. O comandante da UNR, Averkiy Goncharenko, ordenou que se retirassem para o escalão, que esperava dois quilômetros da estação. Em retirada, um grupo de estudantes ao entardecer perdeu seu marco e retornou à estação de Kruty, já ocupada pelo Exército Vermelho. Lá eles foram capturados. O comandante vermelho Yegor Popov, furioso com as horríveis perdas sofridas pelos bolcheviques por um punhado de estudantes, ordenou que os prisioneiros fossem mortos.
Dos estudantes capturados, os bolcheviques primeiro zombaram e depois atiraram. Um dos defensores de Krut cantou "A Ucrânia ainda não morreu" antes do tiroteio - o resto dos estudantes apoiou o canto e morreu com o hino ucraniano nos lábios.
Os bolcheviques proibiram os heróis de enterrá-los. No entanto, após sua retirada, os corpos dos defensores de Krut foram enterrados e, mais tarde, por ordem do governo da UNR, 28 Heróis Kruty foram enterrados no túmulo de Askold, em Kiev. Quando as autoridades soviéticas chegaram à Ucrânia, fizeram o possível para esquecer a Batalha de Kruty nos próximos anos.
Consequências da Batalha de Kruty
A Batalha de Kruto interrompeu a ofensiva do exército bolchevique por quatro dias. Além disso, deu tempo para a assinatura do Tratado de Paz Brest-Lituânia, como resultado do qual o RSFSR reconheceu a independência da UNR e retirou tropas de terras ucranianas. No final, isso atrasou a adesão da Ucrânia à União Soviética por um tempo.


segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

UM INSULTO À MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DE MAIDAN


19/01/2020, 11:15 299

A nomeação do vice-presidente do DBR Oleksandr Babikov, que supostamente trabalhou no escritório de advocacia Aver Lex, que defendeu o ex-presidente Viktor Yanukovych, está sendo preparada.

Oleksandr Babikov

Ainda não foi anunciado oficialmente. No entanto, há rumores de que Babikov manterá essa posição. A informação foi dada pela chefe do DBI, Irina Venediktova, durante uma reunião em 14 de janeiro com parentes dos mortos no Maidan, relata a Voice of America.


Um comunicado de imprensa da ONG "Família dos Heróis das Centenas Celestiais", publicado em 16 de janeiro, afirma que as famílias das "Centenas Celestiais" expressam desconfiança por Babikov.
"Exigimos uma competição aberta e transparente para a eleição de uma pessoa de confiança da sociedade", afirmou o comunicado.
A nomeação foi comentada pelo advogado da família Heavenly Hundreds Eugene Zakrevskaya.
Segundo ela, “o advogado está vinculado à sua posição, que ele formou e defendeu, na qual insistiu, representando e defendendo os interesses de seu cliente. E se o advogado de um suspeito se torna o chefe dos investigadores que investigam o caso, é um conflito direto de interesses".
"Este é um sinal claro de que não haverá investigação", acrescentou Zakrevskaya.
O site de Aver Lex, anunciando a decisão de Babikov de se mudar para o serviço público, observou que ele "se especializou em proteger agentes da lei em casos de corrupção e em casos cometidos por grupos do crime organizado".
O Bureau de Investigação do Estado não vê obstáculo em confiar ao advogado de Yanukovych a auditoria dos assuntos de Maidan. Como explicado aos parentes do falecido, a chefe da DBR, Irina Venediktova, a comissão da competição não encontrou em Babikov um conflito de interesses. Segundo ela, ele será nomeado em caso de recomendação do comitê de seleção e sujeito a inspeção especial.
Volodymyr Golodniuk, membro da Família dos Heróis das Centenas Celestiais, não acredita que Babikov seja objetivo. "Estou profundamente indignado com esses compromissos", disse ele. Segundo ele, "Se Babikov defendeu os interesses de Yanukovych, que matou o Heavenly Hundred, como ele pode agora ser confiável para proteger os interesses dos Maidan?"
Golodyniuk, que perdeu seu filho de 19 anos em Maidan, lembrou a promessa do presidente Volodymyr Zelensky de acelerar a investigação. "Em vez disso, o presidente, tendo interferido nos tribunais, libertou os ex-berkutianos e matou nossa fé na justiça".
Como ele acrescentou: «Nomear o advogado Yanukovych responsável pela investigação de tiroteios no Maidan é um cuspe diante daqueles que perderam seus parentes. É um insulto à memória das vítimas no Maidan. "


quarta-feira, 27 de novembro de 2019

O QUE DIFICULTA A PAZ ENTRE A UCRÂNIA E A RÚSSIA


26/11/2019, 16:08 - 464
Embora Moscou despreze teimosamente a soberania ucraniana e se recuse a falar sobre a Crimeia, é improvável que concorde


Volodymyr Zelensky não foi diferente da maioria dos candidatos presidenciais da Ucrânia durante a campanha deste ano, prometendo paz, mas sem explicar como isso poderia ser alcançado. As promessas de alguns políticos eram de populismo puro e outras de um desejo de capitular às demandas da Rússia.
No caso de Zelensky, isso poderia ser uma manifestação de sua ingenuidade sobre o presidente russo Vladimir Putin e sua falta de experiência em assuntos internacionais. No entanto, deve-se entender que a Ucrânia também mudou como resultado de sua resposta à agressão militar russa. De fato, a região de Dnepropetrovsk, nativa de Zelensky, tornou-se uma das regiões que mais sofreu perdas.
Em 2014-2015, o Dnipro desempenhou um papel estrategicamente importante no bloqueio do avanço da ofensiva militar russa na Ucrânia, escreve o cientista político britânico e canadense de origem ucraniana Taras Kuzio no Conselho Atlântico, relata UNIAN
Na sua opinião, a Ucrânia na forma que existia até 2014 não está mais presente. E voltar a essa época não terá sucesso. Ele lista oito razões que dificultam a paz entre a Ucrânia e a Rússia.
O primeiro deles são os pontos de vista russos sobre o país vizinho. A atitude de Moscou em relação aos ucranianos foi reduzida à retórica da Guarda Branca, que negou a própria existência do povo ucraniano como tal. E isso é ainda pior do que na União Soviética. Enquanto isso, a identidade ucraniana, especialmente entre a população de língua russa, mudou dramaticamente sob a influência de guerras, mortes, feridos, devastação e reassentamento forçado. Portanto, é improvável que acredite que Kiev consiga simplesmente concordar com uma potência estrangeira que não respeite nem a soberania ucraniana nem os ucranianos como nação separada.
O segundo obstáculo é o próprio Vladimir Putin. O autocrata russo é uma combinação desagradável da antiga cultura "chekista" e do chauvinismo russo em relação à Ucrânia. Qualquer compromisso parecerá um sinal de derrota para Putin e seus aliados.
O terceiro obstáculo é que a Rússia se recusa a negociar a Crimeia ocupada. Em Moscou, eles insistem que este "tópico está fechado". Assim, existe abertamente sobre Donbass, assegurando que "não estamos lá". Assim, o lado russo está tentando colocar a guerra no Donbass como uma "guerra civil". Moscou exige que Kiev conduza negociações diretas com os líderes dos chamados DNR e LPR, aos quais a maioria dos ucranianos se opõe. As opiniões dos cidadãos russos e ucranianos sobre este assunto são muito diferentes. 85% dos russos apóiam a anexação da Crimeia e 56% apóiam o separatismo de Donbass. A sociedade ucraniana considera a ocupação da Crimeia e a guerra em Donbass como um dos problemas da agressão russa. A maioria exige o retorno da Crimeia e o fim da invasão militar russa ao Donbass.
O quarto obstáculo: o que fazer com os líderes dos chamados "DNR" e "LPR", bem como com os funcionários civis de suas "administrações"? A maioria dos ucranianos se opõe à anistia. Enquanto isso, a grande maioria das pessoas que permanecem na parte ocupada dos Donbas quer se juntar à Rússia, e não voltar ao controle da Ucrânia. É improvável que a maioria dos 1,7 milhão de deslocados deseje retornar às regiões de Donetsk e Luhansk. Eles sobreviveram ao trauma da guerra, começaram uma nova vida em outro lugar. Seus filhos vão para novas escolas. Eles também podem achar que é perigoso retornar à sua região de origem. Afinal, os simpatizantes do LDNR os considerarão pró-ucranianos.
O quinto obstáculo é que ninguém ainda explicou como ocorrerá a desmilitarização. Desde a assinatura do Acordo de Belfast para a Irlanda do Norte em 1997, tem sido extremamente difícil desmilitarizar 2.500.000 terroristas. E eles tinham apenas armas leves. As forças armadas dos chamados "DNR" e "LPR" estão na região sul das Forças Armadas da Rússia. São 14 vezes maiores que as unidades da Irlanda do Norte e possuem armas pesadas. Além disso, existem 5 a 10 mil oficiais de FSB e GRU no território ocupado de Donbass, que sem dúvida se tornarão "locais" no processo de desmilitarização. Assim, o número total de forças LDNR aumentará para mais de 40 mil.
O sexto obstáculo é simplesmente não responder à pergunta do que acontecerá com esses lutadores. A Ucrânia exige que eles retornem à Rússia. E Moscou quer que eles se tornem a nova polícia, serviços de segurança interna, guardas de fronteira dos chamados DNR e LPR, que terão um "status especial" na Ucrânia. Nenhum líder ucraniano dará esse passo porque assim o cavalo de tróia russo será legalizado
A sétima razão segue da anterior. A Rússia não vai recuperar o controle de sua fronteira com a Ucrânia. Se isso acontecer, o DPR e o LPR deixarão de existir rapidamente. Porque a guerra que está acontecendo em Donbass é absolutamente artificial. Moscou entende o ponto de "recuperar o controle da fronteira" à sua maneira. Ela acha que as forças reformadas do LDNR estarão patrulhando a fronteira russo-ucraniana junto com os guardas de fronteira russos. Em outras palavras, trata-se de legalizar a ordem atual das coisas.
O último obstáculo está relacionado ao segundo, e tem se manifestado repetidamente nas relações russo-ucranianas desde 1991. Moscou nunca está satisfeito com as ações ucranianas que exige de Kiev. Em 2010, o presidente Viktor Yanukovych cumpriu tudo o que a Rússia exigia em uma carta aberta de Dmitry Medvedev de 2009 ao anterior líder ucraniano Viktor Yushchenko. Mas, apesar disso, a Rússia continuou a exigir cada vez mais. Forçou Yanukovych a cancelar a assinatura de um acordo de associação entre a Ucrânia e a UE e também cobrou a Kiev o preço mais alto do gás na Europa.
Não é de surpreender que a Rússia também tenha adicionado o requisito de retomar as importações diretas de gás para se encontrar com Zelensky no formato da Normandia. A Ucrânia não compra gás russo diretamente desde 2016. Retornar a isso significa importar corrupção e chantagem. O autor aconselha o presidente ucraniano a entender que Moscou sempre foi indiferente aos Donbas, pois nunca desempenhou um papel importante na identidade nacional russa.
Em 2014, o principal objetivo da Rússia era capturar Kharkiv e Odessa, que eram "diamantes da coroa" do chamado "Novorossiya". O interesse russo é o retorno de toda a Ucrânia à esfera de influência do Kremlin. E "DNR" e "LPR" - apenas "cavalo de Tróia" para atingir esse objetivo.


A UCRÂNIA HONRA A MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DA FOME


23/11/2019, 07:33 - 313
No sábado, 23 de novembro, é comemorado o Dia da Memória das Vítimas da Fome na Ucrânia.


O Dia da Memória das Vítimas da Fome é comemorado anualmente no quarto sábado de novembro, com base nos decretos presidenciais de 1998 e 2007, informa a Ukrinform.
No século XX, os ucranianos experimentaram três fomes: 1921-1923, 1932-1933 e fome de 1946-1947. No entanto, o mais maciço foi o Holodomor de 1932-1933, um genocídio do povo ucraniano perpetrado pelo regime comunista totalitário da URSS.
A fome foi precedida por violenta coletivização da agricultura, a "desilusão" dos camponeses, uma campanha de colheita de grãos e terror em massa no campo. O terror da fome que está em vigor na Ucrânia há 22 meses é uma política deliberada e propositada do governo Stalin, cuja estratégia e tática são implementadas desde 1928. Essa ação punitiva e repressiva visava humilhar os camponeses ucranianos, destruindo as fazendas camponesas independentes - os fundamentos socioeconômicos da nação ucraniana.
Os camponeses ucranianos tornaram-se as próximas vítimas do regime stalinista após a repressão total da intelligentsia e do clero ucranianos. Nos meses de pico do Holodomor, 24 pessoas morriam a cada minuto na Ucrânia. Em pouco tempo, Moscou matou mais de três milhões de ucranianos.
Durante décadas, o Holodomor ficou em silêncio na Ucrânia soviética. A pesquisa sobre essa tragédia começou apenas no final dos anos 80. O Holodomor de 1932-1933 na Ucrânia é agora considerado como um ato de genocídio contra o povo ucraniano pelo governo da URSS através da organização de uma fome artificial em massa que levou a milhões de vítimas humanas em áreas rurais na SSR ucraniana. Segundo pesquisas sociológicas recentes, 77% dos ucranianos consideram essa tragédia um genocídio.
Em novembro de 2006, o Verkhovna Rada reconheceu o Holodomor de 1932-1933 como o genocídio do povo ucraniano. Dos 195 países do mundo, o ato de genocídio do Holodomor de 1932-1933 na Ucrânia em nível internacional, exceto a Ucrânia, é reconhecido por 15 estados membros da ONU e pelo Vaticano.
Uma série de eventos de luto será realizada na capital em 23 de novembro, em memória das vítimas da fome.
Assim, as atividades de luto serão realizadas no território do Museu Nacional “Memorial das Vítimas do Holodomor” (Rua Lavrska, 3), com a participação de representantes de autoridades estaduais, órgãos autônomos locais, público, clero e convidados estrangeiros. Em particular, o Presidente Volodymyr Zelensky participará da comemoração das vítimas da fome.
Além disso, um dia de silêncio será anunciado hoje às 16:00 para comemorar as vítimas da fome, bem como uma ação nacional "Acenda uma Vela". Nesse momento, qualquer pessoa pode se juntar para homenagear os compatriotas caídos e colocar uma vela no parapeito da janela.
Neste sábado, em Kiev, a bandeira nacional da Ucrânia será lançada. Eles também restringirão as atividades de entretenimento e farão alterações nos programas utilitários.
Em 23 de novembro, serão realizados cultos em memória nos templos das vítimas da fome na Ucrânia.
Como foi relatado, tradicionalmente na quinta-feira, 4 de novembro, às 16:00, a memória de milhões de ucranianos mortos durante o genocídio é comemorada com um momento de silêncio e luz de velas nas praças centrais da cidade, perto dos monumentos do Holodomor, nos templos e no Hall of Remembrance Museu Nacional das vítimas do Holodomor Memorial em Kiev. A tradição de queimar velas na janela de suas casas, a chamada "Vela na janela", foi sugerida pelo pesquisador do Holodomor James Mace.


domingo, 24 de novembro de 2019

7 MILHÕES "ESTE FOI O SALDO DO HOLODOMOR DE JOSEPH STALIN"


HOLODOMOR
[MORTE PELA FOME]
Posted: 24 Nov 2019 12:30 AM PST
Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs


Nos milhares de aldeias ucranianas, desertas e em ruínas, perto de grandes cidades como Kharkiv, Kiev e Odessa, ainda parece se ouvir os uivos da fome, escreveu o jornalista Jeffrey D. Stephaniuk, da agência Euromaidanpress, de quem extraímos as citações deste post.
Nessas aldeias ecoa, no silêncio, o brado lancinante do Holodomor, o genocídio pela fome ordenado por Stalin para extinguir os proprietários rurais  e todo um povo que não se vergava à utopia socialista.
Os camponeses e suas famílias não estão mais ali para contar: morreram aos milhões ou fugiram até caírem exaustos numa estação ferroviária onde ninguém os auxiliava.
Aqueles, como foi o caso de alguns mestres de escola, que tentavam atender famílias e crianças que agonizavam extenuadas foram presos pelos agentes comunistas e exilados na Sibéria – de onde poucos voltaram – pelo crime de espalhar rumores a respeito de uma fome que oficialmente não existia.
Não existia por decreto de Stalin, que a tinha ordenado.
Comício da Frente Popular francesa Léon Blum (Partido Socialista),
Maurice Thorez (Partido Comunista), Roger Salengro (Partido Socialista).
Esquerdas ocidentais democráticas e iluminadas foram cúmplices.

O inexplicável silêncio no Ocidente cooperou para o genocídio

Mas, esta é a curiosidade macabra, o decreto de silenciamento vigorou também no Ocidente, onde admiradores declarados ou velados de Stalin manifestavam ceticismo diante dos relatos, fotos e filmes que evidenciavam essas mortes atrozes de milhões.
Esse viés pró-Stalin se manifestava até nos púlpitos religiosos, inclusive católicos.
Como pode ter isso acontecido? Como foi possível que democratas, liberais, humanitários, líderes políticos cristãos e até eclesiásticos insuspeitos de comunismo cooperassem tão eficazmente no abafamento desse genocídio?
Aliás, em certo sentido, eles continuam cooperando, silenciando ainda hoje os efeitos assassinos do flagelo comunista contra os quais Nossa Senhora em Fátima quis advertir os homens.
Sobre essa espantosa cumplicidade ocidental e seus efeitos no III milênio, veja o clarividente manifesto do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira: Comunismo e anticomunismo na orla do III milênio: uma análise da situação no mundo e no Brasil
O biógrafo Ian Hunter citou um alto eclesiástico anglicano da Inglaterra que elogiava Stalin pela sua “determinação e gentil generosidade”.
Malcolm Muggeridge, que passou oito meses na URSS entre 1932-33, não encontrava palavras para descrever a fome na Ucrânia resultante da coletivização das terras e a luta de classe contra os proprietários, “por causa do indescritível horror e a magnitude” do fato.
À Ucrânia poderiam se aplicar as Lamentações de Jeremias quando falam da fome em Jerusalém no ano 586 a.C.
O mais doloroso subproduto dessa desgraça foi o canibalismo que chorou o profeta:
8. Het. Agora, seus rostos ficaram mais sombrios do que a fuligem; pelas ruas, são irreconhecíveis. A pele se lhes colou aos ossos, e qual madeira ressecou-se.
9. Tet. As vítimas do gladio são mais felizes do que as da fome, que lentamente se esgotam pela falta dos produtos da terra.
10. Iod. Mãos de mulheres, cheias de ternura, cozinharam os filhos, a fim de servirem de alimento” (Lamentações, 4, 8-10)


Geografia da grande fome comunista de 1932-1933

Muggeridge estava convencido de que “foi um dos mais monstruosos crimes da História, de tal maneira terrível que o povo no futuro dificilmente poderá acreditar que algo assim aconteceu alguma vez”.
Para muitos, a fome era um castigo que mereciam por terem apoiado os comunistas nos anos precedentes. Muitos acharam que os comunistas agiram como látego de Deus.
Miron Dolot descreve em outro livro o povo clamando a Deus contra o furor de Satanás que se abatia sobre ele.
Prelúdio da descristianização do “período pós-conciliar”?
A transição para o ateísmo nas cidades e no campo tinha se iniciado anos antes. As cruzes haviam sido derrubadas e em seu lugar ondeavam bandeiras vermelhas. Os altares foram removidos dos santuários.
Outrora, nas casas, aos pés de um ícone os camponeses colocavam um pão “como símbolo da generosidade de Deus”, escreve Miron Dolot em “Execution By Hunger”.
Mas, sob o socialismo, instalou-se o desespero nas casas, onde se morria silenciosamente de fome. Foi uma brutal transformação dos meios de produção, que passaram das mãos de particulares para as do Estado por ordem de Stalin.
Antes da fome, as aldeias começaram a se proclamar ateias e banir os clérigos. Pilhas de Bíblias e de ícones foram queimadas em público. O Natal passou a ser um dia de trabalho e os sinos foram fundidos para favorecer a industrialização.
Até que chegou a fome.
As cerimônias religiosas cessaram. O Natal de 1933 foi o primeiro a não ser mais celebrado. Depois não houve festa de Páscoa na primavera. Não havia mais locais de culto e nem mesmo clero.
Por volta de 1933, o sistema de espionagem da polícia secreta e das ligas da juventude comunista havia desintegrado o senso da comunidade. O povo se trancava nas casas para aguardar a morte.
Os recintos sagrados vinham sendo transformados em teatros ou museus do ateísmo. Nas aldeias, as igrejas viraram locais de reunião do Partido Comunista. Os ícones e as pinturas mais veneradas foram substituídos por imagens do Partido Comunista e de seus líderes.
As orações foram substituídas por cânticos de ódio, e nos estandartes expostos nas igrejas lia-se: “a religião é o ópio do povo”. E, ainda, “é impossível construir um assentamento coletivo onde há uma igreja”, ou “em vez dos sinos, gozemos o ruído dos tratores”.
As igrejas convertidas em depósitos ficavam, durante os tempos da fome, cheias de grãos protegidos por guardas armados, numa blasfema paródia do morticínio de massa: outrora elas eram a casa do Santíssimo Sacramento, visível na Santa Eucaristia, que alimentava espiritualmente os fiéis que comungavam.
Ironicamente, o trigo, produzido com as próprias mãos e com o qual se confeccionava a hóstia que seria oferecida a Deus no sacrifício incruento da Missa, havia sido confiscado e guardado nos templos por agentes marxistas, para que os camponeses morressem sem alimento.
Ateização por meio da reforma agrária


Enterro dos restos das vítimas pela fome e repressão de 1946-47
achados na estação 'Pidzamche' em Lviv
O trigo seguia depois para as cidades, e também para o exterior, onde líderes marxistas e não-marxistas comemoravam o sucesso produtivo da reforma agrária socialista.
Até o Holodomor, a família camponesa ucraniana típica concebia grande número de filhos. Ela passou a ser acusada de “inimigo de classe” por gerar tantos súditos.
As crianças que sobreviveram ficaram órfãs, pois os pais haviam se sacrificado por elas. Mas acabaram se alistando em gangues que pilhavam as cidades. Como o comunismo desejava formar um tipo humano novo, quis transformá-las no homem soviético.
Myroslav Shkandrij, em Fiction by formula: the worker in early Soviet Ukrainian prose, descreve o novo tipo humano como “um ser reduzido pelo Partido a um estado de desorganização e desmoralização”, que poderia ser modelado como massa para gerar um homem conforme aos ideais socialistas.
O Cristianismo ensina que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus e foi redimido por Cristo. A coletivização socialista da agricultura visou destruir essa ideia, corporificada no proprietário.
Por isso, os antigos proprietários – inclusive os menores – foram violentamente excomungados do mundo novo do socialismo, sem ter um lugar na Terra aonde ir.
O dono da terra passou a ser apresentado como um opressor do proletariado pobre e marginalizado.
O fazendeiro estava do lado errado da equação marxista por se encontrar espiritual e juridicamente relacionado com a terra através da propriedade privada.
Todos os crimes da reforma agrária faziam sentido porque impulsionavam a transição do capitalismo para o socialismo e o comunismo.
Aldeias inteiras foram condenadas à morte pela fome por se negarem a entrar nessa evolução progressista.
Deve-se sublinhar que nas regiões – maioritárias, aliás – atingidas pelo flagelo russo-marxista do Holodomor, predominava a religião dita “ortodoxa”, um cisma do catolicismo.
O clero “ortodoxo”, em vez de pregar contra o monstro marxista, “virou a casaca” e se tornou um vil colaborador do carrasco socialista.
O grande clamor aos Céus pedindo a vingança divina


O heroico metropolita greco-católico de Lviv, Andrei Sheptytsky,
impulsionou o vibrante apelo.
O único grande clamor pela nação chacinada proveio da parte ocidental da Ucrânia, onde predominavam os católicos, cujos bispos lançaram um lancinante apelo ao mundo.
Em julho de 1933, a hierarquia católica ucraniana de Halychyna [Galícia, ocidente da Ucrânia] fez esse apelo.
Ele foi publicado primeiro no jornal “Pravda” (“A Verdade”) XII nº 30, do dia 30 de julho de 1933. Ele foi reproduzido posteriormente no livro do bispo Ivan Buchko First Victims of Communism: White Book on the Religious Persecution in Ukraine, publicado em Roma, em 1953.
O apelo dos bispos católicos ucranianos descreve as atrocidades que aconteciam no leste de seu país sob a bota bolchevista.
“Agora vemos as consequências do regime comunista: a cada dia elas se tornam mais aterradoras. A visão desses crimes horroriza a natureza humana e gela o sangue. (...)
“Protestamos diante do mundo inteiro contra a perseguição de crianças, pobres, doentes e inocentes. Por outro lado, citamos os perseguidores diante do Tribunal de Deus Todo-poderoso.
O sangue dos trabalhadores famintos e escravizados tinge a terra da Ucrânia e clama aos Céus pedindo vingança, e o pranto das vítimas consumidas pela forme chega até Deus no Céu.
“Imploramos aos cristãos de todo o mundo, a todos aqueles que acreditam em Deus, e especialmente aos nossos compatriotas, a se unirem ao nosso protesto para tornar nossa grave denúncia conhecida até nos cantos mais remotos da terra.
“Pedimos às emissoras de rádio retransmitir nossa voz pelo mundo todo; talvez ela chegue até os empobrecidos e desolados lares que gemem na fome sob a perseguição.
“Então, pelo menos tendo conhecimento de que estão sendo lembrados, de que há pessoas que têm piedade de seus irmãos em terras remotas, eles se sintam confortados pelas suas orações e encontrem uma consolação em meio a indizíveis sofrimentos e à morte iminente.
“Para todos vós, sofredores, famintos, moribundos, nós imploramos a Nosso Senhor Misericordioso e Nosso Salvador Jesus Cristo:
“Aceitai esses sofrimentos em reparação por vossos pecados e pelos pecados do mundo, repetindo com Nosso Senhor: ‘Pai nosso que estas no Céu. Que vossa vontade seja feita’.
“Aceitar voluntariamente a morte pelas mãos de Deus é um oferecimento que, unido ao sacrifício de Cristo, vos conduzirá ao Paraíso e atrairá a salvação para todo o povo. Depositemos nossas esperanças no Senhor.
“Dado em Lviv, na festa de Santa Olga, julho de 1933.”
Assinam: o metropolita Andrés Sheptytskyi; Dom Gregório Khomyshyn, bispo de Stanyslaviv; Dom Josafá Kotsylovskyi, bispo de Peremyshy; Dom Gregório Lakota, bispo auxiliar de Peremyshyl; Dom Niceta Budka, bispo titular de Patara; Dom João Buchko, bispo auxiliar de Lviv, e Dom João Latyshevskyi, bispo auxiliar de Stanyslaviv.