quinta-feira, 16 de outubro de 2014

RÚSSIA UTILIZA MERCENÁRIOS NO LESTE DA UCRÂNIA

Congresso do Conselho da Europa reconheceu a agressão militar e apoio aos separatistas na Rússia

16 de outubro de 2014 15:11
Congresso do Conselho da Europa aprovou uma resolução sobre "o problema do separatismo na Ucrânia e nos países vizinhos."
Congresso do Conselho da Europa reconheceu a agressão militar e apoio aos separatistas na Rússia
O documento foi aprovado por uma maioria esmagadora. 71 delegados votaram a favor e 22 contra.
Resolução estabelece o reconhecimento oficial que houve intervenção militar, no caso da Rússia, na Ucrânia.
"O Congresso condena qualquer forma de invasão do leste da Ucrânia, bem como todas as outras formas de pressão sobre os seus vizinhos" - diz o documento.
"A Segurança do Continente foi seriamente ameaçada devido a violações dos princípios das normas internacionais pela Rússia. O separatismo armado, que é apoiado por mercenários e tropas estrangeiras, é contrário a tudo o que o Congresso apoiou", - observou também na resolução.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Ucrânia: Manifesto frente ao Parlamento

14/10 15:22 CET

 
A situação é tensa no Conselho, ouvido explosões
Cerca de 8 mil manifestantes, de acordo com as autoridades, a maioria militantes e simpatizantes dos partido “Liberdade” (Svoboda) e “Setor de Direita” (Pravy Sektor) reuniram-se para exigir o reconhecimento dos membros do grupo de defesa ucraniano da Segunda Guerra Mundial “Exército Insurgente da Ucrânia” (EIU) como heróis nacionais.
O partido liberdade negou qualquer envolvimento na manifestação.
O EIU ficou conhecido por ter combatido os soviéticos e conotado, de acordo com algumas fontes, com o colaboracionismo nazista.
No parlamento, onde constavam votações sobre o tema e outras leis, incluindo a nomeação do novo ministro da Defesa, a sessão foi encerrada.
Copyright © 2014 euronews

CONSELHO NOMEOU UM NOVO MINISTRO DA DEFESA

Parlamento nomeou  ministro da Defesa, Stephen Poltorak.
14 out 2014 10:45

 
Conselho nomeou um novo ministro da Defesa
Dos 293 deputados da Verkhovna Rada, 245 deputados votaram a favor de Stephen Poltorak para exercer o cargo de Ministro de Defesa da Ucrânia.
Após a votação, Stephen Poltorak prestou o juramento de fidelidade para o povo da Ucrânia.
Fonte: Verdade Ucraniana.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

RÚSSIA SUBSTITUI SUAS TROPAS NO LESTE DA UCRÂNIA POR NOVOS TERRORISTAS




Rússia substitui divisões de suas tropas na Ucrânia por novos terroristas

9 de outubro de 2014 15:25

 

Soldados russos estacionados na fronteira da Ucrânia com a Rússia, no Leste da Ucrânia, estão sendo substituídos por novos terroristas "DNR" e "FSC" treinados nos campos da Agência Central de Inteligência Russa na região de Rostov.

A informação foi transmitida em entrevista coletiva pelo porta-voz do Conselho Nacional de Segurança Ucraniano, Andrei Lysenko (foto).
Lysenko disse que a Rússia irá substituir suas tropas regulares por terroristas. 

"Temos informações de que a Rússia continua a fornecer armas a terroristas que são preparados em seus acampamentos militares. Eles irão substituir as unidades regulares das Forças Armadas Russas", disse Lysenko.

Ele também disse que a intensidade dos ataques durante a trégua tem diminuído, mas ainda estão lá.
"Para um completo cessar-fogo será preciso remover os terroristas e gangues que atacam nossas unidades em Donetsk e aeroporto Debalcevo", disse ele.

Fonte: Jornal Castelo Alto.

VICE-SECRETÁRIA DE ESTADO DOS EUA VISITA A UCRÂNIA

Vice-secretária de Estado dos EUA visita Ucrânia e deixa recados a Poroshenko e a Putin

08/10 15:29 CET
Em visita à Ucrânia, a Vice-secretária de Estado norte-americana, pressionou o país para que tome as rédeas e consiga a pacificação do seu território através da definição clara de fronteiras. Defendendo a posição norte-americana, Victoria Nuland, afirmou que a Ucrânia tem de voltar a controlar a fronteira leste do país.
Nuland afirmou ainda que a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa só pode fazer o seu trabalho, corretamente, na Ucrânia, se estiverem criadas condições as de paz:
“A OSCE é uma missão civil de observação, não é uma missão militar. Portanto, só pode funcionar em condições de paz. É assim que tem trabalhado nas áreas de estatuto especial, onde há paz, mas onde são mais necessários, onde os tiroteios continuam, eles não podem trabalhar e é por isso que insistimos, com o Presidente Poroshenko, na importância de um cessar-fogo total, particularmente, no aeroporto de Donetsk, Debaltseve, Schasttya e insistimos também na importância de dar atenção à fronteira internacional, a fronteira entre a Ucrânia e a Rússia.”
A diplomata norte-americana acrescentou ainda que o seu país já deu 10 milhões dólares em equipamentos para apoiar a guarda fronteiriça ucraniana.
“O equipamento será entregue, amanhã, na região onde decorre a operação antiterrorista, Donbas. Além disso, até ao final de 2014, os Estados Unidos da América vão disponibilizar, aos soldados ucranianos, mais 50 veículos blindados e milhares de coletes à prova de bala “, adianta a correspondente da euronews na Ucrânia, Maria Korenyuk.
Copyright © 2014 euronews

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

PUTIN ESTÁ ENFURECIDO

Putin cria “gulag virtual” e extingue liberdade em blogs e redes sociais

 
A partir de 1° de agosto de 2014, todos os blogs da Rússia com mais três mil visualizações – quantidade acima do muito pouco – passarão a ser controlados estritamente pelo Kremlin, noticiou o jornal portenho “Clarín”. 

Controles análogos já existiam, afogando os grandes meios de comunicação e caindo agora sobre quase todas as publicações online.

A denominada “Lei sobre os blogueiros” inclui uma série de reformas no Código Administrativo, na lei de Informação e na lei de Comunicações.

A nova legislação obriga os administradores/proprietários de um endereço virtual a fornecer informações sobre seus usuários às autoridades da “nova URSS”.

As redes sociais deverão conservar durante seis meses os dados de seus membros em servidores dentro da Rússia, ao alcance da polícia política.

Alguns servidores deixaram de publicar estatísticas ou rankings dos blogs ou sites, ou impuseram um limite máximo de 2.500 visitantes diários. Mas o governo já dispõe de mecanismos para contabilizar as visitas.

O “gulag virtual”, que vinha funcionando há tempo com discrição, agora é oficial.

Hugh Williamson, da Human Rights Watch, disse à BBC que a lei é “mais uma etapa da mão dura da Rússia contra a liberdade de expressão”.


A FSB (foto) é a herdeira da KGB


“A Internet foi a última ilha de liberdade de expressão na Rússia e com essas regulamentações draconianas ficou debaixo do tacão do governo”, acrescentou.

A liberdade de expressão, de que tanto se abusou para promover o mal e a imoralidade, agora é esmagada pela imoralidade suprema do totalitarismo de Vladimir Putin, paradoxalmente apresentado por ingênuos ou cúmplices como campeão da moralidade.

Em agosto, mais um decreto obrigou os cidadãos russos a fornecer seu número de passaporte ou de RG ao se conectarem com uma rede Wi-Fi, noticiou o site “
20minutes”.

O decreto apenas alarga lei existente, estabelecendo que “o acesso aos serviços de comunicação e de troca de dados ligados a uma conexão Internet só será permitido pelo servidor após identificação do usuário”.

O fornecedor de acesso à Internet deverá recolher o nome completo, os dados do passaporte, e estocar as informações transmitidas durante seis meses, além de registrar e guardar o tempo de conexão do usuário que fica quase como um “suspeito” para o sistema repressivo.
O decreto causou indignação. “É verdadeiramente nefasto”, escreveu em seu blog o opositor do Kremlin, Alexeï Navalny.

“Um verdadeiro Big Brother está nascendo sob os nossos olhos (…), um sistema que sabe quem escreveu o quê, quando e onde”, acrescentou.


Bancos de dados na mão do governo russo
Bancos de dados na mão do governo russo.

Uma espionagem que lança uma inquietante sombra sobre a privacidade e a intimidade dos cidadãos e que nem foi sonhada na época de Lenine e Stalin.

O governo tentou justificar o atropelo com argumentos contraditórios e manifestamente falsos. A prefeitura de Moscou disse que só funcionaria nas conexões dos Correios, mas ninguém acreditou.

O Ministério das Comunicações arguiu que o objetivo é lutar contra o terrorismo.

Ai, porém, de quem critique a Vladimir Putin, ou do ucraniano que defenda sua mãe pátria. Bem pode receber uma visita dos órgãos de segurança antiterroristas.

O mesmo Ministério disse que as redes privadas não seriam atingidas, mas logo acrescentou que todos os usuários deverão preencher um formulário especial com informações da identidade antes acessarem a Internet.

O fornecedor também poderá obter essas informações “interrogando as autoridades competentes”, esclareceu o Ministério.

O que equivale a dizer que as “autoridades competentes” já têm esses dados. Teme-se que o “gulag virtual” declare “inexistente” este ou aquele usuário, seguindo esquemas de silenciamento orwellianos.


Fonte: Flagelo russo.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

RUSSOS PROTESTAM CONTRA PUTIN E FAZEM PASSEATA PELA PAZ NA UCRÂNIA

domingo, 28 de setembro de 2014


Moscovitas bradam: “Putin, chega de mentiras!”


Dezenas de milhares de russos protestaram em Moscou  contra a guerra na Ucrânia e contra as mentiras de Putin
Dezenas de milhares de russos protestaram em Moscou
contra a guerra na Ucrânia e contra as mentiras de Putin

No domingo, 21 de setembro, dezenas de milhares de cidadãos russos participaram de uma passeata no centro de Moscou, pela paz na Ucrânia e contra o papel do Kremlin na guerra que abala o leste ucraniano, segundo informou o site francês 20minutes.fr. 


O grande cortejo incluía figuras da oposição, e muitos levavam bandeiras ucranianas enquanto bradavam slogans como “Não à guerra na Ucrânia” e “Parem com as mentiras de Putin”, constatou um jornalista da agência France Press – AFP.

Tratou-se da primeira manifestação maciça contra a guerra. Guerra essa que a mídia oficial nega que Putin esteja conduzindo.

As fraudes da informação oficial – única existente na Rússia, uma vez que a Internet acaba de perder a sua liberdade – foram denunciadas na “Marcha pela Paz”.

Dela participaram “dezenas de milhares” de pessoas segundo Sergueï Davidis, um dos organizadores, e apenas 5.000 segundo a polícia. 



“Estou persuadido de que a guerra foi provocada por Putin”, desabafou Vladimir Kachitsine, 44, que participou de cadeira de rodas. “Eu quero que Putin pare de se meter nos assuntos internos da Ucrânia”, acrescentou.
“Putin significa a guerra, ele é o chefe do partido da guerra”, defendeu o opositor Boris Nemtsov.

“Sou russo. Tenho vergonha de que Putin seja meu presidente”
“Sou russo. Tenho vergonha de que Putin seja meu presidente”

“Ele retrocederá se vir que somos numerosos, porque ele teme a seus próprios cidadãos, só o povo russo pode barrar o caminho de Putin”, disse o antigo vice-primeiro ministro de Boris Yeltsin, citado pela agência Reuters

“Esta guerra é uma loucura e um crime contra a Ucrânia, contra os habitantes do Donbass e contra os russos”, sublinhou Igor Iasine, 34.

Os promotores da passeata pediram às autoridades russas o fim da “política agressiva e irresponsável” na Ucrânia, que, segundo eles, conduz a Rússia ao isolamento, à desordem econômica e ao agravamento das “tendências fascistas”. “Essa política já custou a vida de milhares de ucranianos e de russos”, escreveram eles no Facebook.

A polícia de Moscou exibiu uma intimidatória presença em volta do cortejo anti-Putin, de acordo com jornalistas da Reuters.

Algumas dezenas de simpatizantes do restaurador da “URSS 2.0” tentaram uma contramanifestação simultânea em apoio à rebelião pró-russa, agitando bandeiras da “Nova Rússia” e da “Republica Popular de Donetsk” separatista.

Em São Petersburgo, mais de 1.000 pessoas participaram de análoga “Marcha pela Paz”, a qual, entretanto, foi proibida pelas autoridades.

Apesar do crescente mal-estar da maioria da população pacífica da Rússia diante do número de seus soldados mortos e feridos, as pesquisas – costumeiramente manipuladas pelo regime – anunciaram que Putin atingiu recordes de popularidade desde o início da repudiada guerra. 

Acredite quem quiser, ou puder.

Fonte: Flagelo Russo.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

HUNGRIA SUSPENDE GÁS PARA A UCRÂNIA



Nesta sexta-feira [26] a Hungria suspendeu o fornecimento de gás à Ucrânia por tempo indeterminado e chegou a acordo com a Rússia para aumentar as suas reservas, com o objetivo de passar ao lado das consequências da crise energética entre Moscou e Kiev.
 
A notícia chega quatro dias depois de o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, se ter reunido com o diretor executivo da gigante russa Gazprom, Alexei Miller, e no mesmo dia em que representantes da UE, da Rússia e da Ucrânia negociaram, em Berlim, uma solução para o corte do fornecimento de gás de Moscou a Kiev.
Num breve comunicado, a operadora húngara FGSZ anunciou que interrompeu a transmissão de gás para a Ucrânia "na tarde de 25 de Setembro de 2014 [quinta-feira] por um período indefinido".
A empresa estatal justifica a suspensão com razões de segurança, motivadas pelo "aumento significativo" da procura nos próximos tempos na Hungria. Com o previsível aumento do volume de gás, a rede de gasodutos de Beregdaróc, na fronteira com a Ucrânia, terá de ser "alterada, para garantir que todos os gasodutos estejam preparados para receberem a transmissão".
Apesar destas explicações, a empresa estatal ucraniana Naftogaz acusa a Hungria de ceder a chantagens da Rússia e pede a Bruxelas que exija aos seus países-membros "o respeito pelas regras internas da UE".
"A Naftogaz lamenta profundamente a decisão da FGSZ e apela aos seus parceiros húngaros que respeitem as suas obrigações contratuais e a legislação da UE", que prossegue com uma acusação: "Nem os países da UE nem a Ucrânia devem ser pressionados politicamente através de chantagens na energia. (…) A Naftogaz está empenhada em ser um parceiro estável e um ponto de ligação vital para a chegada de gás russo à UE. Em troca, a Naftogaz espera que os seus parceiros da UE e os seus países vizinhos respeitem as suas obrigações contratuais, e também a legislação da UE."

Presidente da Ucrânia diz que o pior da guerra já passou e a paz está próxima



O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, afirmou, esta quinta-feira, que o acordo de paz assinado com os separatistas pró-russos há cinco dias significa que a parte "mais perigosa" do conflito no leste já passou e a paz está próxima.
 
foto VALENTYN OGIRENKO/REUTERS
 Presidente da Ucrânia diz que o pior da guerra já passou e a paz está próxima
O presidente ucraniano, Petro Poroshenko
 
"Não tenho qualquer dúvida de que a parte principal e mais perigosa da guerra já passou, graças ao heroísmo dos soldados" ucranianos, disse, numa conferência de imprensa em Kiev, acrescentando estar convencido de que o seu plano de paz "vai funcionar".
"Acabamos com a tirania, consolidamos o nosso rumo europeu, resistimos na luta contra o inimigo externo e, não tenho dúvidas, a paz já não está longe", acrescentou.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

UCRÂNIA SELA ACORDO COM A UNIÃO EUROPÉIA

Ucrânia e UE selam acordo de associação, Kiev dá mais autonomia ao Leste


Apesar da ratificação do acordo com Bruxelas, a entrada em vigor de uma das suas cláusulas mais importantes – a do comércio livre – foi adiada de Novembro deste ano para Janeiro de 2016.
 
Petro Poroshenko - Presidente da Ucrânia mostra o acordo com a UE
 
O Parlamento ucraniano ratificou nesta terça-feira o Acordo de Associação com a União Européia, numa cerimônia "histórica e sem precedentes" realizada em simultâneo com a votação no Parlamento Europeu (PE).
O momento era histórico e o Presidente da Ucrânia não poupou nas palavras. "Quem está disposto a morrer pela Europa?", perguntou Petro Poroshenko no seu discurso perante os deputados do Parlamento ucraniano, transmitido em direto e acompanhado pelos eurodeputados em Estrasburgo.
A cerimônia estava marcada para as 10h GMT (11h em Portugal continental) e o presidente do PE, Martin Schulz, não se atrasou um minuto.
"Dois parlamentos a votar em simultâneo é um procedimento histórico e sem precedentes, algo que nos deve deixar orgulhosos", disse Schulz, recebendo os aplausos de muitos dos 697 eurodeputados presentes no momento da votação.
As palavras de Martin Schulz em Estrasburgo e de Petro Poroshenko em Kiev não ocuparam mais de 20 minutos, e a votação final nos dois parlamentos acabou por falar mais alto do que qualquer discurso. Na Ucrânia, os 355 deputados presentes votaram a favor da ratificação do acordo; em França, 535 disseram "sim", 127 disseram "não" e 35 disseram que não queriam dizer nem uma coisa nem outra.
O ambiente em ambos os parlamentos foi de festa, com Martin Schulz a ser várias vezes interrompido com aplausos, tanto em Estrasburgo como em Kiev. "O Parlamento Europeu sempre defendeu a integridade e a soberania da Ucrânia e continuará a agir da mesma forma", disse.
Do outro lado o Presidente ucraniano dramatizava o discurso e lembrava as dezenas de pessoas que morreram durante os protestos na Praça da Independência, em Kiev, e as várias centenas que foram mortas durante a guerra no Leste do país, enquanto lutavam nas fileiras do Exército ucraniano: "Nenhuma nação pagou um preço tão elevado para se tornar européia." De acordo com os números das Nações Unidas, desde o início da guerra, em Abril, morreram cerca de 2700 pessoas e centenas de milhares procuraram refúgio em outras zonas da Ucrânia e na Rússia.
O grito que serviu de ponto final à intervenção de Petro Poroshenko reforçou a mesma idéia: "Glória à Ucrânia. Glória à União Européia."
O Acordo de Associação assinado nesta terça-feira obriga a Ucrânia a aprovar um conjunto de reformas que ponha o país no caminho certo para a adesão e foi em tom de aviso que o Presidente ucraniano se dirigiu aos deputados. "A União Européia só quer uma coisa: reformas. A situação atual não pode servir de desculpa para não agirmos. Vamos fazer tudo em conjunto – Presidente, Governo, Parlamento", disse Poroshenko, numa referência às divisões em Kiev sobre a melhor forma de pôr fim à guerra no Leste e recuperar o país.
Comércio livre adiado
Apesar da ratificação do acordo, a entrada em vigor de uma das suas cláusulas mais importantes foi adiada de Novembro deste ano para Janeiro de 2016. A decisão de adiar o acordo de comércio livre entre a Ucrânia e os países da União Européia foi tomada em conjunto com a Rússia, no final da semana passada.
Na base deste adiamento está o argumento de Moscou de que o seu mercado seria inundado por produtos baratos provenientes da União Européia e exportados depois pela Ucrânia.
O adiamento desta importante parte do Acordo de Associação foi entendido em Kiev como uma vitória da Rússia e levou à demissão do vice-ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Danilo Lubkivski. Também a oposição ao Presidente Petro Poroshenko fez saber que irá discutir este assunto na campanha para as eleições antecipadas de Outubro.
Em linha com o que tinha prometido quando se candidatou à Presidência, o chefe de Estado ucraniano anunciou a dissolução do Parlamento em finais de Agosto, marcando eleições antecipadas para Outubro – Petro Poroshenko considera que a atual composição do Parlamento, que vem dos tempos do Presidente Viktor Yanukovych, está a bloquear a aprovação de leis que ele considera essenciais para o desenvolvimento do país.
A recusa do antigo Presidente Viktor Yanukovych em assinar o Acordo de Associação com a União Européia, em Novembro do ano passado, esteve na base das primeiras manifestações em Kiev, que levariam à sua deposição, em Fevereiro, e à ocupação de edifícios governamentais por milícias pró-russas nas províncias de Donetsk e Lugansk, em Abril.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

MILICIANOS ESPANHÓIS NO LESTE DA UCRÂNIA

Milicianos pró-russos viriam para América Latina

Milicianos espanhóis viriam para América Latina
Milicianos espanhóis viriam para América Latina
O jornal “El Mundo”, de Madrid, entrevistou dois milicianos espanhóis que lutam no “Batalhão Vostok”, no leste da Ucrânia, por causa das afinidades do grupo separatista com as crenças comunistas.

Ángel Arribas Mateo, 22, é de Cartagena e tem tatuada a imagem de Lenine no braço direito e a de Stalin no esquerdo. 

Rafael Muñoz Pérez, 27, é das Astúrias. Os dois ingressaram como voluntários na milícia pró-russa mais violenta e sanguinária.

Eles receberam instrução militar no local e estão adquirindo experiência de combate. Ostentando a bandeira da II República espanhola da Guerra Civil 1936-1939, eles repetem a todos o slogan comunista “No pasarán”.

Ángel frequentou a juventude do Partido Comunista dos Povos da Espanha (PCPE) e o Partido Comunista (PCE), que faz parte da Izquierda Unida, representada no Parlamento espanhol. 

Rafael e Ángel partilham a visão marxista-leninista do mundo, e por isso decidiram se unir aos separatistas guiados por Moscou.

“Não temos passagem de retorno”, dizem, mas reconhecem que a situação militar está ruim para os pró-russos e, se piorar, já pensam em fugir para a Rússia e depois seguir para Cuba e/ou Venezuela.

Quando conseguiram entrar no território rebelde e se apresentaram como “comunistas espanhóis”, foram aclamados pelos terroristas do “Vostok”.

Sem conhecer a língua local, estreitavam efusivamente as mãos daquela brigada internacional e bradavam: “No pasarán!”.

Para eles, trata-se de vingar a Guerra Civil espanhola, perdida por seus pais e avôs. 

Os dois foram criados no clima de distensão e anestesia que dominou Espanha nas últimas décadas. Por isso, foi uma surpresa quando pegaram em armas de guerra e começaram a treinar.

“Entrarei em combate, se for necessário, contra os bastardos fascistas”, disse Ángel. Para eles, o maior sinal de amizade dos terroristas foi ter-lhes fornecido modernas Kalashnikovs.

Ángel e Rafael foram visitar a estátua de Lenine e os monumentos soviéticos que estão sendo derrubados nas cidades livres da Ucrânia.

Fanatismo comunista-republicano os levou para Ucrânia e os traria para América Central ou do Sul
Fanatismo comunista-republicano os levou para Ucrânia
e os traria para América Central ou do Sul
Para se distinguirem dos milicianos provenientes de países tão diversos como a Chechênia ou a Sérvia, eles costuraram a bandeira da Segunda República, que ostentam, na bandeira comunista vermelha com a foice e o martelo.



Ambos dizem estar orgulhosos, porque em Donetsk “não há polícia, mas não há problema algum (sic!). Sou comunista, mas se isto é anarquismo, eu troco”, brinca Ángel, com uma linguagem orwelliana. 

É claro que, se há “problema”, são os saques e crimes praticados por seus colegas de milícia. E se um cidadão resistir, pode acabar na fossa comum. É assim como está sendo feita a paz na anarquia comunista!

Perguntado pelo jornalista sobre o que fariam se a rebelião fracassar apesar do ingente apoio de Putin, Rafael responde:

— Não sei o que dizer. Eu imagino que se a resistência sucumbir, não pensamos nos imolar. Se virmos que isto está perdido, vamos embora, diz Rafael.

Ángel está muito à vontade no “Vostok”, e acrescenta: “Se ganharmos a guerra, eu ficaria vivendo aqui. Ofereceram-nos até casa e carro próprio”, obviamente confiscado à ponta de Kalashnikov.

Porém, os dois reconhecem que a realidade não parece prometer a realização desse desejo. O exército ucraniano está rodeando a cidade, as bombas atingem os ninhos rebeldes e os milicianos já não podem sair para treinar.

As noites são difíceis: quando bombardeiros e drones sobrevoam o quartel, todos pulam para fora do prédio, com medo de serem sepultados com ele.

“Se a coisa ficar feia, tentaríamos cruzar a fronteira russa. Se não nos deixarem voltar à Espanha, pediríamos asilo a Cuba ou à Venezuela”, diz Ángel, que confidencia ter sonhado participar na revolução marxista de Fidel.

O testemunho desses dois milicianos comunistas revela a afinidade ideológica entre as falanges subversivas internacionais colocadas por Putin na Ucrânia e os grupos revolucionários marxistas ou populistas há tempos bem instalados na América Latina.


   


Fonte: Flagelo Russo.

domingo, 14 de setembro de 2014

PUTIN cria um cristianismo adulterado

Putin, o “espírito de Munique” e a tragédia prevista em Fátima

 Milicianos da 'República Popular de Donetsk' beijam ícone de Putin. Um cristianismo adulterado posto a serviço de uma ambição anticristã.
 Milicianos da 'República Popular de Donetsk' beijam ícone de Putin.
Um cristianismo adulterado posto a serviço de uma ambição anticristã.
Vladimir Putin “brinca com fogo” no leste da Ucrânia, escreveu o filósofo francês Bernard-Henri Lévy para o “The New York Times”. Lévy criou a imagem de pensador radical da esquerda chique, não podendo ser tido como um conservador ou direitista.





Na teoria Lévy não está tão longe do pensamento que justifica Putin, porém na prática está espantado com os crimes que estão sendo cometidos até com ar de "cristianismo" pelo chefe do Kremlin.

Para ele, Putin “mobilizou os piores elementos existentes na região: criminosos, ladrões, estupradores, ex-presidiários e vândalos e os transformou numa força paramilitar”.

Os comandantes que seguem as instruções de Putin devem matar ou afugentar intelectuais, jornalistas e autoridades morais em Donetsk e Lugansk, acrescenta o filósofo, que entretanto omite a perseguição anticatólica e contra todo religioso não submisso ao Patriarcado de Moscou

Para Lévy, as milícias separatistas pró-russas constituem um exército de agitadores que toma conta e destrói prédios públicos, hospitais, escolas e prefeituras do país que pretende liberar.

Segundo o autor, Putin permitiu a consolidação de “uma verdadeira guerra de gangues”, que em certa medida ele não controla plenamente, pois umas se voltaram contra as outras numa anarquia que faz pensar nos piores momentos do caos feudal.


Mercenários em estado de ebriedade se gabam de matar ucranianos
Mercenários em estado de ebriedade se gabam de matar ucranianos
“A esse mundo do crime soturno, sem estrutura ou disciplina, a esses baderneiros indômitos que só conhecem a lei da selva e constituem um novo estilo de tropa sem uma mínima ideia da guerra, cujas leis, Deus é testemunha, desconhecem em absoluto, a essa coleção heterogênea o presidente Putin entregou um arsenal aterrador com o qual esses soldados amadores não estavam familiarizados e com o qual vêm brincando como crianças com fogos de artifício.

“A Rússia distribuiu grandes quantidades de armamento pesado aos separatistas e os treinou para utilizar o sistema de mísseis SA-11, do gênero que se acredita ter sido empregado para derrubar o voo MH 17 da Malaysia Airlines”.

Lévy tenta imaginar a gangue vitoriosa comemorando seu troféu, os oficiais russos destinados pelo Kremlin para supervisionar esses mísseis, e a consternação destes quando o autoproclamado ministro da Defesa da República de Donetsk se atribuiu a responsabilidade de abater um avião militar ucraniano que acabou sendo o MH-17.

Fivela de mercenário pró-Putin
Fivela de mercenário pró-Putin
O filósofo verbera com paixão a atitude dos pró-russos que deixaram os corpos das vítimas abandonados nos campos ou amontoados em vagões mal refrigerados, que exportaram para a Rússia restos possivelmente comprometedores, e pilharam os objetos de valor dos corpos das vítimas.

Quando escreveu isso, Lévy não pensava na América Latina e no quanto certas gangues e/ou organizações criminosas de narcotraficantes ou de ideologias socialoprogressistas estão predispostas a tentar em nossos países análogas ‘proezas’ anárquicas seguindo o modelo de Putin.

Para o filósofo, em todo caso estamos diante de crimes contra a humanidade, resultantes de uma estratégia de guerra nova promovida pelo chefe máximo do Kremlin.

Em face dessa ofensiva que faz do crime organizado uma tropa de choque regular, o autor francês acena para a obrigação moral de tirar as consequências.

Moralmente, como pode a França, país natal de Lévy, entregar à Rússia dois porta-helicópteros da classe Mistral? Transformar-se-ão eles na ‘joias da coroa da frota russa diante da Sebastopol invadida e, quiçá, de um outro porto ucraniano?

Lévy aponta outros sinais desalentadores de claudicação na União Europeia diante do comandante da imoral ofensiva russa.

Para ele, a atitude de apaziguamento, condescendência e até bajulação de certos representantes europeus em face de Putin, se chama “espírito de Munique”.

Charmberlain, Daladier, Hitler, Mussonlini e Ciano  após a assinatura do Acordo de Munique.  Falso espírito de paz preludiou a pior das guerras.  Obama e a UE parecem optar por análoga entrega.
Charmberlain, Daladier, Hitler, Mussonlini e Ciano
após a assinatura do Acordo de Munique.
Falso espírito de paz preludiou a pior das guerras.
Obama e a UE parecem optar por análoga entrega diante de Putin.
O mesmo espírito que, em 1938, preludiou a imensa tragédia da II Guerra Mundial.

Para ele, esse espírito é um estigma.

Estigma, acrescentamos, que atrai horizontes sombrios como os de 1938 sobre os países liderados por populistas enamorados de Putin.



Esse horizonte apavorante pode ser concluído com base na história humana. Mas, se considerarmos a dimensão moral dos movimentos presentes diante de Deus, o que dizer?

Os terríveis dias futuros para os quais Nossa Senhora acenou em Fátima e o papel que neles teria a Rússia revolucionária, fazem com que a ‘manobra Putin’ ganhe toda a sua dimensão.


Fonte: Flagelo Russo