sábado, 30 de setembro de 2017

UCRÂNIA: A GUERRA INVISÍVEL

30 de setembro de 2017 Por Jonathan Spyer
A Ucrânia oriental no limbo com a "Guerra Invisível"
"Às vezes, penso que, se assim permanecermos aqui, deveremos usar paintball em vez de munições ao vivo. Provavelmente é porque eu sou mais velho, mas acho um pouco diferente para os outros aqui. Sobre todo o nacionalismo e assim por diante, penso que não há nada mais importante do que a vida humana. Isso não dá para recuperar. É outra história, se você não tem escolha, é claro".
"Hammer" é um voluntário do batalhão Donbass das forças governamentais da Ucrânia. É uma hora depois do amanhecer, ele está em uma posição em frente ao limite da cidade de Marinka, perto da fronteira com a Rússia. O inimigo, os "separatistas" pró-Moscou, estão a 200 metros de distância, escondidos em um estábulo em desuso.
Os intercâmbios de fogo de armas começam todas as noites à noite. Armas pequenas, metralhadoras leves, algumas granadas propulsionadas por foguetes e granadas de mão também. No meio da troca de tiros, os lutadores trocam abusos com o humor negro e surreal, que parece acompanhar esta guerra no leste da Europa.
Ainda não é um jogo. De vez em quando, alguém é ferido ou morto. Mas não há manobras significativas. Há, afinal, um "cessar-fogo" no lugar, assinado em Minsk em 11 de fevereiro de 2015.
Esta é a guerra invisível da Europa Oriental, um conflito entre a Ucrânia e a Rússia que em grande parte despercebida pelo mundo exterior. Um conflito congelado no tempo, mas longe de terminar.
Os voluntários Donbass passam seus dias limpando suas armas, dormindo, procurando comida e esperando. Talvez algum dia a ordem venha tomar o estábulo vermelho do outro lado do mato. Os homens mais jovens, "Sniper" e "Gypsy" e "Marbeley" (milicianos ucranianos e soldados todos passam por apelidos), são unânimes de que poderia ser alcançado sem dificuldade.
Mas, por trás das posições dos "separatistas", espera o exército de Vladimir Putin, uma proposição completamente diferente. A ordem para avançar para cada lado é improvável que venha em breve.

Um soldado ucraniano na região de Donetsk. Imagem: Jonathan Spyer

A poucas horas de distância, na capital, Kiev, restaurantes e bares estão abertos. O negócio está florescendo. Somente a presença de alguns soldados fora de serviço exauridos da ATO (operação antiterrorista, o termo de governo ucraniano preferido para a área de combate) indica qualquer coisa fora do comum. A aparente normalidade é enganosa. No Dia da Independência da Ucrânia, 24 de agosto, uma explosão perto da sede do governo no centro de Kiev feriu duas pessoas. No final de junho, um carro bomba matou o coronel de inteligência militar Maksim Shapoval. De vez em quando, a guerra oferece uma lembrança de sua existência.
Pelo menos 120 soldados ucranianos foram mortos na região de Donbass este ano, de acordo com fontes oficiais, juntamente com um número desconhecido de seus inimigos. Os civis, também, estão envolvidos no fogo cruzado. Mais de 10 mil pessoas morreram no conflito desde 2014: soldados e voluntários ucranianos, combatentes separatistas, soldados regulares russos e civis. Mais de dois milhões de pessoas foram desabrigadas.
Esta “não-guerra” brutal é o filho indesejado da revolução ucraniana Maidan de 2013-14. A exibição do poder das pessoas que derrubou o governo apoiado por Moscou de Victor Yanukovych em fevereiro de 2014 desencadeou a invasão russa na península da Criméia no mês seguinte.
A agitação desencadeada pela Rússia custeando mercenários que se passavam por população russa nas províncias de Donetsk e Luhansk na região de Donbass, foi um dos maiores engodos dos últimos tempos. Um ex-oficial de inteligência russo, Igor Gurkin, conhecido como "Strelkov" (The Shooter), desempenhou um papel central na sua organização.
Pretensos grupos insurgentes, na realidade mercenários pro-russos armados apareceram e invadiram os edifícios da administração estadual em Donetsk e Luhansk, proclamando repúblicas independentes. Surgiu uma luta amarga em que as forças e as milícias do governo ucraniano conseguiram recuperar em grande parte as áreas invadidas pelos pretensos insurgentes. Mas com a vitória à vista, pró Ucrânia, a Rússia promoveu a entrada, não declarada, de forças russas regulares, incluindo unidades aéreas e armamento pesado, impedindo assim, a retomada completa das recém-proclamadas "repúblicas populares". E ali permanecem, sob o domínio dos separatistas russos.
Um cessar-fogo foi declarado em 5 de setembro de 2014, após negociações em Minsk. As violações do cessar-fogo começaram quase que imediatamente. Mais tropas russas e equipamentos pesados atravessaram a fronteira da Ucrânia em novembro. Um segundo cessar-fogo foi assinado em Minsk em fevereiro de 2015, após alguns ganhos territoriais por ambos os lados. Observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa observam a manutenção de Minsk II. Uma "zona cinzenta" de áreas em disputa cuja posse não foi resolvida pelo protocolo de Minsk permanece. A guerra consiste no concurso para essas áreas.
O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, esteve em Kiev há algumas semanas e sinalizou seu apoio para aumentar a assistência dos EUA, incluindo armas, para o exército ucraniano em Donbass. As armas anti-tanque, e talvez os sistemas antiaéreos, estão no topo da lista de desejos para os soldados esfarrapados ao longo da linha de frente dos 400 quilômetros.
A visita de Mattis foi a segunda viagem de alto perfil para a Ucrânia por um alto funcionário dos EUA nos últimos meses. O secretário de Estado, Rex Tillerson, estava no país, prometendo seu apoio em julho. A legislação para o fornecimento de armas letais defensivas abriu caminho para a Casa Branca, mas ainda não foi assinada. Enquanto isso, nas linhas de luta, as coisas permanecem bloqueadas no lugar.
Os russos no início esperavam ser saudados com entusiasmo pela população em grande parte de descendência russa do leste da Ucrânia. Isso não aconteceu. Um projeto para um novo estado chamado "Novorossiya" foi brevemente posto em movimento. Isto incluiu não só Donetsk e Luhansk, mas a área inteira de Odessa, no sul, a Kharkiv, no norte. A tentativa russa é dividir a Ucrânia para enfraquecê-la.
Pequenos restos das ambições da Rússia. Uma existência sombria e restrita é a realidade para aqueles que vivem na área controlada pelos russos e os "separatistas". Os jornalistas ocidentais não são permitidos nas repúblicas populares de Luhansk e Donetsk. Mas as conversas com as pessoas deslocadas internamente pintam uma imagem de caos.
Em um centro comunitário em Kiev, Albert, um engenheiro mecânico aposentado de 78 anos de Luhansk, diz que os separatistas consistem em grupos de bandidos que se comportam com impunidade em relação à propriedade da população local. Sua esposa, Ludmila (o casal prefere não dar o nome de sua família), diz que tem medo de falar abertamente sobre a situação em Luhansk porque a família ainda possui um apartamento na área e as autoridades de fato começaram a confiscar imóveis vazios.
O casal descreve uma situação difícil em que a provisão de água e eletricidade é apenas parcial e homens e tanques armados são freqüentemente vistos nas ruas. "As estradas estão arruinadas pelos sulcos produzidos pelos tanques", diz Albert. "Antes, havia apenas um tanque em Luhansk, no memorial de guerra. As coisas mudaram." Ele tem idade suficiente para se lembrar da Segunda Guerra Mundial. Suas ações mais cruciais foram travadas nas paisagens do leste da Ucrânia e da Rússia ocidental. Depois de uma vida pacífica à sombra dessa guerra, outro conflito lançou-se sobre a sua tristeza.
Para os civis que ainda vivem perto da linha de frente, a guerra é uma presença constante e um perigo constante. Em Krasnogorovka, pelas ruínas de sua casa, encontramos Svetlana Voilova, 53, que trabalhou em uma fábrica de doces em Donetsk antes da guerra. A casa foi destruída pelo fogo de artilharia pesada duas semanas antes. Svetlana visitava sua mãe no hospital. Todas as suas posses desapareceram, diz ela. Todo o edifício, que continha nove apartamentos, foi destruído no bombardeio e fogo subseqüente. Um velho morreu. Ele tinha sido o único outro residente. O resto já havia fugido. Não resta mais nada.
"Todos os dias é uma roleta russa", diz Alina Kosse, da Marinka. As primeiras posições da linha de frente das forças ucranianas estão a 2 km de sua casa: "Apenas um dia atrás, as bombas caíram na área e essas bombas atingiram a minha parede e meu jardim".
No entanto, apesar de tudo isso, civis começaram a voltar para a linha de frente Marinka. "Muitas pessoas fugiram, mas agora essas pessoas começaram a voltar. Elas pagavam enormes aluguéis em outras partes da Ucrânia, então elas estão voltando porque gastaram todo seu dinheiro, pelo menos aqui eles têm um teto sobre suas cabeças e um quintal para cultivar para sobreviver".
Mas e Minsk II? E o cessar-fogo? "O cessar-fogo está lá apenas para tranquilizar as pessoas, mas não nos tranquiliza. Ouvimos os sons do "cessar-fogo" todas as noites".
Não há números confirmados para a população restante nas chamadas repúblicas populares de Donestsk e Luhansk. Mas Gyorgy Tuka, vice-ministro das áreas ocupadas no governo ucraniano, diz ao Inquirer que 1,6 milhões de pessoas deixaram áreas controladas pelo governo ucraniano desde o início do conflito. Um número desconhecido também partiu para a Rússia. Um número desproporcional de pessoas que permanecem são pensionistas e outras pessoas vulneráveis.

Um soldado ucraniano implantado na região de Donetsk. Imagem: Jonathan Spyer

De acordo com um relatório no jornal russo independente Novaya Gazeta, de um milhão de habitantes da cidade de Donetsk, 250 mil são pensionistas. A economia, uma vez que um hub central, contraiu dois terços, de acordo com o banco central ucraniano. Os varejistas e os serviços financeiros desapareceram em grande parte.
Moscou está pagando um preço contínuo por sua incursão na Ucrânia. Em 20 de junho deste ano, o Departamento do Tesouro dos EUA votou em aumentar as sanções, todavia nenhuma delas mostra qualquer sinal de produzir uma resposta russa mais flexível.
Em vez disso, as últimas ações de Moscou parecem apontar para uma maior vinculação de Donbass para a economia russa, evitando, porém, qualquer anexação formal. Sopa quente se come pelas beiradas.
Os lutadores ucranianos são um grupo misto. O período 2013-14 foi um momento revolucionário na sociedade ucraniana e, como outros períodos, atraiu muitas pessoas novas para atividades militares e políticas. O exército ucraniano, quando chegou em 2014, estava lamentavelmente mal preparado para os desafios da guerra. As milícias voluntárias montadas as pressas desempenharam um papel importante na fruição do avanço dos separatistas e, em seguida, enfrentando os soldados regulares russos.
Alguns desses milicianos foram recrutados diretamente de grupos de ativistas que participaram dos protestos da EuroMaidan, com demandas de integração europeia mais próxima e, em particular, de grupos de direita e nacionalistas ucranianos, que formaram uma presença significativa nos protestos. Outras formações surgiram dos grupos nacionalistas existentes.
Mas enquanto os grupos de milícias receberam uma grande cobertura midiática, eles agora desempenham um papel reduzido. Os mais significativos deles, incluindo os batalhões Donbass e Azov, foram incorporados em estruturas militares regulares de acordo com a Lei da Guarda Nacional da Ucrânia. Hoje, ambas as forças mantêm cerca de 1000 combatentes em Donbass, onde estão sob o comando do exército. Uma formação única, o setor Pravy (setor direito), continua a operar como um elemento independente na linha de frente.
Os combatentes dos batalhões voluntários claramente não se especializam em sua transformação de forças móveis para defensores de uma linha estática. "Em essência, um conflito congelado", diz Casper, um comandante de seção no batalhão de Donbass, pronunciando as palavras com um desprezo estudado, quando nos encontramos em uma posição logo atrás das linhas de frente. Ele está sentado sem camisa no pequeno pátio em frente à casa onde a seção está estacionada. O lado esquerdo do corpo está coberto de marcas de queimadura.
Mais tarde, em tons assombrados, ele nos fala da luta em Debaltseve, em fevereiro de 2015, quando o batalhão Donbass foi preso por um mês em um recinto por forças russas. "Vinte e cinco homens morreram de um total de 80", diz ele, e mostra um filme em seu telefone celular da eventual evacuação da unidade. Aqui aparecem os rostos dos combatentes de sua seção, ao lado dos tanques, no frio congelado de fevereiro.
A redução do papel militar desses batalhões voluntários levou alguns a se voltarem para a política, procurando se transformar em partidos políticos ativistas. Isso está levando a preocupações entre os ativistas civis, que temem as implicações que a chegada da política militarizada poderia ter para a democracia incipiente da Ucrânia.
Nazar Kravchenko, um dos líderes do novo partido político de Azov, o National Corps, rejeita essas preocupações. Ele descreve a Ucrânia como envolvida em uma "guerra híbrida" com a Rússia, e afirma que isso torna necessário o tipo de política "ativista" que seu movimento defende.
Ele observa que o movimento tem uma rede de 10 mil ativistas e descreve uma estratégia de ação direta contra "manifestações políticas de sentimento pró-separatista" e "ações anti-ucranianas".
Mas as manifestações políticas dos voluntários são pequenas e carecem de recursos. O candidato nacionalista nas eleições presidenciais de maio de 2014, Dmitro Yaros, garantiu apenas 0,7% do total de votos.
Muitos ucranianos parecem ter tido prazer em ter os nacionalistas em torno de quando houve uma incursão estrangeira para ser repelida, porém, sem terem vontade de serem governado por eles.
"Os ucranianos não querem ser liderados por extremistas", diz um jovem em Kiev.
Todos os sonhos de um grande e poderoso estado de fala russa deve certamente desaparecer. A guerra serviu para cristalizar uma maior sensação de identidade ucraniana entre a população de língua russa da Ucrânia. Não haverá "Novorossiya".
Mas não haverá retorno de Donetsk e Luhansk para o controle de Kiev em breve, também. Mesmo os níveis melhorados de apoio dos EUA atualmente em discussão estariam longe de ser suficientes para acabar com o impasse.
Enquanto isso, Moscou não tem intenção de abandonar seus novos feudos. Ele se tornou um parceiro vital em qualquer discussão sobre o futuro político da Ucrânia.
A manutenção de conflitos congelados como ferramentas de diplomacia e influência política é uma parte familiar do livro de produção russo - na Transnístria, Ossétia do Sul, Abkhazia, Nagorno-Karabakh e agora também nas arenas vitais da Ucrânia e talvez até da Síria.
Este é o meio judicioso e de baixo custo pelo qual os projetos de Moscou influenciam e garantem insegurança em torno de suas regiões fronteiriças.
No leste da Ucrânia, os sons do cessar-fogo - fogo de armas pequenas, morteiros, armas de fogo e artilharia - parecem continuar a ser ouvidos.
O Dr. Jonathan Spyer é Diretor do Rubin Center (anteriormente Centro GLORIA), IDC Herzliya e um colega no Middle East Forum. Ele é o autor de The Transforming Fire: The Rise of the Israel-Islamist Conflict (Continuum, 2010) e um colunista no jornal Jerusalém Post. Spire detém um Ph.D. em Relações Internacionais da London School of Economics e um Mestrado em Política do Oriente Médio da Escola de Estudos Orientais e Africanos em Londres. O relatório sobre a guerra na Síria e no Iraque foi publicado em uma série de principais meios de comunicação, incluindo o Wall Street Journal, The Guardian, The Times, Weekly Standard e muitos outros. Seu blog pode ser seguido em: http://jonathanspyer.com/.



sábado, 2 de setembro de 2017

MOSCOVITAS: Usurpadores históricos

Bis

MOSCOVITAS: NÃO SÃO 'RUSKIYE' E NÃO SÃO ESLAVOS (TRÍPTICO)*

Autores: Stepan Diativskyi, Sviatoslav Semeniuk, Pavlo Shtepa

* Tríptico - uma coleção de artigos de três autores ukrainianos de diferentes gerações, projetados de forma simples e concisa para dar ao público os materiais reais para desmascarar o mito da origem dos russos e expor os historiadores-falsificadores russos.

E, mais uma vez provar que os russos nunca foram "irmãos" dos ukrainianos, muito menos "sênior"; e que eles não tem nada a ver com os povos eslavos e, em particular auto apropriaram-se do nome "ruskiye", que vem do primeiro nome do Estado ukrainiano Kyivska Rus, (primeiro nome da Ukraina) à qual os antigos russos nunca pertenceram.

PRÓLOGO
"No pântano sangrento da escravidão russa, não na severa glória da era Norman está o berço da Rússia. Alterando nomes e datas, veremos que a política de Ivan III e a política do atual império moscovita não é simplesmente parecida mas idêntica.
A Rússia foi gerada e criada na disforme e humilhada escola da escravidão mongol. Forte ela tornou-se porque, no ofício da escravidão ela mostrou habilidade superior. Mesmo quando a Rússia se tornou independente, ela continuou a ser país de escravos. Petró I (Pedro I) combinou astúcia política do escravo mongol com a grandeza do governante mongol, ao qual Genghis Khan profetizou subjugar o mundo...
Política russa - permanece inalterada. Métodos e táticas mudaram e mudam, mas a principal estrela da política russa - subjugar o mundo e governá-lo - é e será imutável. O pan-eslavismo de Moscou - é apenas uma das formas da conquista moscovita."

PAÍS MOKSEL OU MOSCÓVIA
Sob este título no fórum do livro em Lviv (Ukraina), em 2008, aconteceu a apresentação do livro (em dois volumes) de Volodymyr Bilinski [Romance de Pesquisa. - K: Editora Olena Teliha, 2008. Livro 1 - 376 pag, Livro 2 - 318 pag.]
O livro informa fatos provenientes de fontes históricas (principalmente russos), que testemunham a verdadeira história do Império Russo e não em aspecto distorcido. O império russo criou e sacramentalmente guardou e guarda a sua história mitológica que foi radicalmente distorcida e subordinada à finalidade do invasor.
Esta mitologia histórica poderia ser desconsiderada, se ela não prejudicasse os interesses fundamentais da Ukraina - sua história, língua e literatura.

PARA O QUÊ A RÚSSIA [MOSCOVIA] APROPRIOU-SE DA HISTÓRIA DA KYIVSKA RUS
Criando o grande império russo, a elite de Moscou sabia, que sem um grande passado era impossível criar uma grande nação. Era necessário embelezar o passado, até mesmo apropriar-se do alheio.
Para esta finalidade os czares de Moscou, começando por Ivan IV, o Terrível (1533-1584) foi dada a tarefa de apropriar-se da história da Kyivska Rus e criar a mitologia do império russo. A maior parte neste sentido foi feito pela czarina Catarina II (1762-1796), a qual não aceitava a idéia de que na família czarista ela poderia estar entre a nobreza comum tártaro-mongol.
Com o decreto de 4 de dezembro de 1783 Catarina II criou uma comissão constituída por 10 "eminentes" historiadores para "montagem de notas sobre a história antiga, preferencialmente russa" sob a direção da própria Catarina II e do conde Shuvalov. A comissão trabalhou 10 anos. Em 1792 a "história materna" foi lançada ao mundo. No decorrer dos trabalhos foram reunidos e transcritos todos os anais antigos, os originais - destruídos. O resultado foi totalmente reescrito, no interesse da história russa, sem salvar nenhum original destes antigos anais.
Assim a história da Kyivska Rus tornou-se, descaradamente, a base da história do império russo. Durante séculos, principalmente desde o início do século XVI, introduziam e introduzem nas cabeças das pessoas que o Estado Russo e a nação russa tiveram início a partir do Grão-Ducado de Kyiv. Não há dúvida que isto é invenção e falsificação em favor do Império Russo. Pois sabe-se que:
Na época da existência do Estado Kyivska Rus, sobre o Estado da Moscóvia não havia nem menção. Sabe-se que Moscóvia como "ulus" (povoamento temporário de nômades) da Horda de Ouro foi fundado pelo khan Meng-Timur somente em 1277.
Não há nenhuma evidência sobre a relação da Kyivska Rus com a etnia finlandesa do século XI e posteriormente do Principado de Moscou com os principados nas terras da Kyivska Rus até o século XVI. Naquele tempo, quando em 988 aconteceu o Batismo do Estado da Kyivska Rus, as tribos finlandesas da terra Moksel estavam ainda em um estado semi-selvagem. 
Afim de preservar o roubado e atribuir aos assim chamados "veleko-russos" (grandes russos) a história da Kyivska Rus era necessária, em primeiro lugar estrangular a nação ukrainiana, encurralá-la na rígida escravidão, tirar-lhe o seu idioma, cultura, o próprio nome ou, simplesmente, destruí-la. Pelo menor desvio do oficioso perseguiam as pessoas, colocavam nas prisões e campos de concentração, deportavam para Sibéria ou simplesmente destruíam fisicamente.
O período soviético foi o mais cruel. Durante este período, a Ukraina perdeu mais de 25 milhões de seus filhos, que morreram sistematicamente de fome (houve três períodos de fome: 1921-1923; 1932-1933; 1946-1947) nos Gulags, degredos e prisões.
Assim o "irmão maior' nos cruéis "abraços do amor" mantinha o "irmão menor".

Quem é ele no aspecto histórico este "irmão maior?"
Até o final do século XV não existia Estado russo, não havia irmão maior - grande russo e nação russa, existia apenas a terra de Suzdal - terra Moksel, depois - principado da Moscóvia, e aquela terra era povoada por pessoas, as quais do final do século XIII até o começo do século XVIII chamavam-se moscovitas.

NAÇÕES DA TERRA MOKSEL
Nos séculos IX - XII a grande região de Tula e Ryazan, norte e leste pertencia a tribos finlandesas: Murom, Marya, Vis, Moksha, Chud, Mordova, Mari, outros - todas estas são nações "Moksel". Estas tribos mais tarde tornaram-se a base dos "velekorosiv" (grandes russos).
Um dos filhos mais jovens do príncipe de Kyiv Monomakh - Yurii Dovhorukyi - acabou ficando sem herança, e ele encaminhou-se às terras livres de Zaleshanski. Assim iniciou a dinastia dos Ruriúkovychiv nas terras Moksel, encabeçando o principado de Suzdal em 1137. De sua esposa local nasceu o filho Andrii, o qual chamaram de "Boholiúbskyi" (que ama Deus). Nascido e criado na floresta do fim do mundo, entre tribos finlandesas o príncipe Andrii rompeu todos os laços com o destacamento militar de seu pai e com as antigas tradições de Kyiv. Em pouco tempo (50 - 80 anos) em cada assentamento finlandês era colocado um príncipe da família dos Ruriúkovychiv nascido de mãe merya, murom, tártara, etc. Assim surgiu a terra finlandesa de Suzdal, e mais tarde - fino-tártara Moscóvia.
Em 1169 os habitantes de Suzdal, após uma feroz batalha capturaram e destruíram Kyiv; veio o bárbaro que não sentia nenhuma relação familiar com essa terra.
O historiador russo Kliúchevskii V.O. disse: "Na pessoa de Andrii "velekoros" (grande russo) pela primeira vez apareceu numa cena histórica". Tal foi a relação familiar de Kyiv com Suzdal e, posteriormente, com Moscóvia.

AGRESSÃO ÀS TERRAS MOKSEL POR TÁRTARO-MONGÓIS. SURGIMENTO DA MOSCÓVIA
Em 1237 vieram às terras de Suzdal os tártaro-mongóis. A Moscóvia, como principado, surgiu em 1277 sob as ordens do Khan (título de nobreza da Ásia antiga) tártaro-mongol e era um costumeiro ulus da Horda de Ouro. Isto é, a própria cidade de Moscou e principado-ulus de Moscou não surgiu na época do Grande Principado de Kyiv, não por ordem dos príncipes de Kyiv, mas nos tempos tártaro-mongóis, por ordem dos khans da Horda de Ouro, no território subjugado a dinastia Chynhizydiv. Que Moscou foi fundada por Yuri Dovhorukyi em 1147 não é verdade. É um mito que não tem evidência probatória.

Não existia nem Moscou, nem principado de Moscou antes de 1237-1240, isto é, até a vinda dos tártaro-mongóis às terras de Suzdal.
O primeiro príncipe de Moscou tornou-se em 1277 - Danyil Newsky (filho mais novo de Oleksandr Newsky, nascido em 1261). Ele deu início à dinastia de príncipes e czares de Moscou (Ruriúkovychiv).
Oleksandr Yaroslavych, chamado e glorificado pelos historiadores russos como Newsky, com oito  anos de idade - em 1238 - foi levado pelo khan Batu (ou seja, refém), dando ao pai - Yaroslav Vsevolodovych rótulo para principado de Vladimir. Estando na Horda de Batu de 1238 a 1252, Oleksandr Newsky assimilou todo sistema e hábitos da Horda de Ouro. Ele não participou de nenhuma batalha importante. Todas as vitórias de Oleksandr Newsky - deplorável mentira. Ele simplesmente não podia participar em confrontos sobre o rio Neva em 1240 e no lago Peipsi-Piskov - em 1242, porque ainda era criança.
Não souberam tártaro-mongóis conquistar com a espada e a força os grandes orgulhos da Kyivska Rus - Novgorod e Pskov. Estes santuários eslavos trouxe aos tártaros Oleksandr Newsky "no pratinho".
Na história dos "velykorossiv" (grandes russos) não houve príncipe que se esforçasse pela Horda tanto quanto o Príncipe Oleksandr Newsky. Ele contribuiu com mais de 300 anos de escravidão dos "velykorossos" à Horda de Ouro. Oleksandr Newsky e seu pai Yaroslav Vsevolodovych sem lutar, caiu de joelhos e beijou, como sinal de humildade, a bota do grande khan da Horda de Ouro.
Estando em absolutas condições análogas não se sujeitaram aos tártaro-mongóis os lituanos, poloneses, húngaros e tchecos.
Os ukrainianos em conjunto com os lituanos conquistaram a independência da opressão tártaro-mongol na luta. Na primavera de 1320 o príncipe lituano Gedemin conquistou Ovruch, Zhytomyr... ocupou Kyiv, que entregou-se voluntariamente. Gedemin libertou a Kyivska Rus do jugo dos mongóis. Em 1362 os regimentos eslavos dos ukrainianos e lituanos derrotaram os tártaro-mongóis em Synikh Vodakh (Águas Azuis).
Os historiadores de Moscou criaram um mito sobre a batalha de Kulykiv na qual Moscóvia venceu a Horda de Ouro. Mas isso é uma mentira deslavada. A batalha de Kulykiv aconteceu em 8 de setembro de 1380 e durou apenas 3-4 horas. Nesta batalha Dmytrii Donskyi lutava contra Mamaia, que liderava um dos grupos da Horda de Ouro. Dmytrii Donskyi lutava pela Horda de Ouro, pela preservação da ordem dinástica da Horda de Ouro, não contra ela.
Todos os governantes de Moscou, honestamente e fielmente serviam a um único estado - a Horda de Ouro, e nunca demonstraram nenhuma separação.
A elite governante de Moscou não podia e, até hoje não consegue reconciliar-se com o fato de que, com a libertação da Kyivska Rus dos tártaros em 1320 a Moscóvia, ainda por aproximadamente 200 anos permaneceu na composição da Horda de Ouro, pagava-lhe tributos como antes, glorificava os khans em seus templos, celebrava orações ao khan como ao seu soberano.
Moscóvia odiava com muita força a Lituânia e a Ukraina, porque não se curvaram diante da Horda de Ouro.
Na primavera de 1502 o khan da Criméia Mengli-Giray derrotou a Horda de Ouro. Desta forma, o khan da Criméia é o verdadeiro libertador da Moscóvia da Horda de Ouro, e não Dmytrii Donskyi. A horda da Criméia desde o tempo de Ivan III tornou-se padroeira da Moscóvia. Em 1473 Ivan III jurou na Bíblia aos Giray da Criméia, e Moscóvia tornou-se vassalo da Criméia e pagava-lhe tributo até quase o ano de 1700.
Já há muito tempo é hora de desistir de esconder o fato da origem do principado da Moscóvia na composição da Horda de Ouro como povoamentos tártaros. Tártaro-mongóis realmente tornaram-se "padrinhos de batismo" do Estado de Moscou. Quando no governo de khan Meng-Timur surgiu Moscou como ulus (povoamento), registrado em 1272 com o terceiro censo tártaro-mongol, o primeiro principado de Moscou, como mencionado acima, surgiu na composição da Horda de Ouro em 1277.

OS MOSCOVITAS TÊM ORIGEM ESLAVA?
À história da Rússia a elite dominante permitiu grande quantidade de mentiras para provar origem eslava a Moscóvia e aos moscovitas. A afirmação de que Kyiv é a "mãe" de três nações e estados - Ukraina, Bielorrússia e Rússia é completamente mentirosa. Esta mentira é necessária para confirmar a "legalidade" da submissão por nação de nações eslavas - ukrainiana, bielorrussa, polonesa, outras.
Examinemos a questão: de onde surgiram os eslavos nas terras Moksel? Até o século XII nas terras Moksel habitavam apenas tribos finlandesas. Isto é confirmado por escavações arqueológicas de O.S. Uvarov. [Muriany e seu modo de vida atrás dos outeiros das escavações, 1872 - 215 pág.] 7729 outeiros nas antigas Moskovska, Volodymyrska, Yaroslavska, Kostronska, Riazanska províncias.
Foi estabelecido que esses montes pertenciam exclusivamente a etnia myrianska (finlandesa). Não foi encontrado nenhum enterro eslavo. No século XIII nas terras Moksel vieram os tártaro-mongóis. Surge a questão, por que os eslavos da região quente próxima a Dnieper passariam para regiões finlandesas mais frias? Tal não podia acontecer, que os eslavos fossem ao encontro da invasão tártaro-mongol. Em escavações posteriores O.S. Uvarov descobriu, que nas terras myrianska (futura Moscóvia), nos outeiros dos séculos XI - XVI não foi encontrada nenhuma moeda de Kyiv.
Com base nos resultados de O.S.Uvarov, temos todo o direito de dizer: durante os séculos IX - XVI a terra myriana e seu povo praticamente não tiveram relações econômicas e culturais nem com o Grande Kyiv, nem com o Grão-Ducado da Lituânia.
Chegou a hora de rejeitar as mentiras sobre "origem eslava da Moscóvia e moscovitas. Porque os moscovitas são de origem finlandesa, e posteriormente, fino-tártara.

Tradução: Oksana Kowaltschuk

Ver também o artigo “Gênese da Ucrânia”.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

KREMLIN TENTA SE APOSSAR DA UCRÂNIA

Posted: 30 Jul 2017 01:30 AM PDT
O anunciado país de Malorossía incluiria por completo as regiões de Lugansk e Donetsk. Mas, isso seria só como início de conversa.
O anunciado país de Malorossía incluiria as regiões de Lugansk e Donetsk por completo.
Mas, isso seria só um início de conversa...
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Separatistas pró-russos no leste da Ucrânia proclamaram um novo Estado denominado Malorossía, que significa “Rússia Menor”, mas que de fato é o primeiro passo de um processo que visa engolir quase todo o território da Ucrânia e até parte da Moldávia!

O líder pró-russo Alexander Zajarchenko explicou que o novo Estado se aglutinará em volta das autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk. Sua Constituição será votada em referendo e a capital será a cidade de Donetsk, informou “El Mundo” de Madri. 


Esses dois territórios sublevados pelo influxo de Moscou já tinham aprovado a secessão num referendo em que os eleitores votavam mirados por fuzis e cujos resultados foram contestados. No dia seguinte os “vencedores” pediram a integração na Federação Russa. 



Mas Vladimir Putin não ousou sequer reconhecer a independência desses secessionistas. Seu plano era mais sibilino. 



Ele pretendia usar os revoltosos que já estavam sob seu controle para exigir imediatas concessões do governo ucraniano legítimo de Kiev. 

Mais na frente, ele esperava usá-los como alavanca para engolir a Ucrânia inteira. Mas a intriga não conseguiu quebrar o patriotismo ucraniano e ficou paralisada.


Agora renova a tentativa com a proposta desta atreira Malorossía. “Será um Estado sucessor da Ucrânia”, confessou Alexander Timofeev, membro do governo da autoproclamada República Popular de Donetsk.


A ocupação efetiva do leste da Ucrânia pelos secessionistas pró-russos
é de só uma fração de Lugansk e Donetsk. Além da península da Crimeia
e das regiões de Ossétia e Abécassia que pertencem à Geórgia.

Os separatistas controlam só uma parte das regiões de Lugansk e Donetsk, mas pretendem ser os donos absolutos desses Oblasts (Estados).



Alegam que “o governo da Ucrânia demonstrou ser um Estado falido”, sem se preocupar que nas regiões usurpadas os separatistas nem fornecem os serviços básicos à população. 

O mapa da Malorossía vem mudando, mas inclui territórios nunca alcançados pelos separatistas. Chegam até a Moldávia, engolindo a grande cidade ucraniana de Odessa e todo a costa do mar Negro. 

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, relembrou que os separatistas são meras “marionetes da Rússia”. 


Balazs Jarabik, investigador do Centro Carnegie, afirma ser evidente que “os separatistas não poderiam sobreviver sem ajuda russa”. Durante o conflito, os separatistas apelaram à Rússia para que essa os salvasse anexando seus territórios.



É bem o que Putin gostaria como início de conversa. Mas a astúcia lhe sugeriu cuidar-se. Inventou a “Novorrosía” e tentou forjar uma guerra civil que não foi acompanhada pela população. 



Foi então obrigado a engajar pesadamente tropas russas e invadir os territórios “separatistas”, sofrendo graves perdas e desprestigiando a causa da guerra aos olhos da opinião pública russa.



A conhecida escritora Anne Applebaum, que está publicando o livro A fome vermelha, sobre a história da Ucrânia, acredita que a “Rússia está por trás”



Ela mostra que desde os tempos da URSS, Moscou costuma “criar estados 'fake' (falsos) baseados em territórios ocupados pela própria Rússia para desestabilizar outros países” que ela quer engolir. 

Mapa revelador do plano russo circula em sites ocidentais 'companheiros de estrada' de Moscou.
E prevê a ocupação pela Malorrosía e/ou Novorossía até de partes da Moldávia (com cores russas).
Depois, seria anexado o centro da Ucrânia incluída Kiev (com cores ucranianas).
Só sobraria a Ucrânia ocidental empurrada para a Polônia (listada no mapa).

O Kremlin tomou distâncias, mas “para inglês ver”. Pois Leonid Kalashnikov, criatura do regime e presidente do Comitê da Duma para a Comunidade de Estados Independentes, defende que a criação da Malorossía é “inevitável”.

Simultaneamente, o Kremlin intensificou as violações das linhas de fogo acertadas nos acordos de Minsk, estimulando ataques militares dos separatistas armados por ele.


Kurt Volker, ex-embaixador dos EUA perante a OTAN e encarregado das negociações de paz na Ucrânia, responsabilizou a Rússia pela retomada das violências no leste ucraniano. 



Segundo ele, atualmente as partes estão se matando numa “verdadeira guerra” que nada tem de um “conflito congelado”, como a Rússia e seus companheiros de viagem fazem crer, noticiou a agência Reuters

Na cidade de Kramatorsk, 700 km ao sudeste de Kiev, Kurt Volker anunciou que recomendará a Washington um maior engajamento no processo de paz.

Os recentes combates na região do Donbass deixaram 12 mortos numa semana. Berlim e Paris exigiram respeito dos acordos de cessar-fogo de Minsk de 2015.

Esses estão sendo regularmente violados e é patente que a Rússia e seus acólitos não pretendem cumpri-los. No máximo, explorá-los para tirar vantagens.

A tensão se estendeu até a Geórgia, no Cáucaso, onde o presidente Giorgi Margvelashvili e seu homólogo da Ucrânia, Petro Poroshenko, criaram um Alto Conselho Bilateral.


Esse visa “a liberdade dos territórios ocupados” pela Rússia em ambos os países e promover “a integração total na OTAN e na União Europeia”, noticiou a UOL



Poroshenko qualificou os povos ucraniano e georgiano de “vítimas da agressão da Rússia”. E agradeceu aos voluntários georgianos que combatem contra os separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia “pelo convencimento que dessa forma também lutam pela Geórgia”.



“Apesar de termos duas regiões ocupadas (pela Rússia), estamos orientados para a cooperação e a amizade”, acrescentou o presidente georgiano Margvelashvili. 

Soldado ucraniano católico morto em recente ataque dos separatistas pró-russos violando os acordos de Minsk. Combates retomaram com intensidade.
Soldado ucraniano católico morto em recente ataque dos separatistas pró-russos
violando os acordos de Minsk. Combates retomaram com intensidade.

Ele se referia às autoproclamadas repúblicas de Abecásia e Ossétia do Sul, que o Kremlin considera Estados independentes após engoli-los pela força das armas na guerra russo-georgiana de 2008.