terça-feira, 29 de março de 2011

12 MESES COM VIKTOR YANUKOVYCH

Vysokyi Zamok, 24.02.2011

Ivan Farion

==================

Tentativa de resposta às questões sobre a efetividade do desempenho do atual presidente perante a nação ukrainiana.

Viktor Yanukovych - Presidente da Ukraina

25 de fevereiro o atual e quarto presidente desde a independência da Ukraina aparecerá nos principais canais da televisão nacional em duas horas de "Conversando com o país". Prestará contas à nação sobre o que conseguiu, em um ano de trabalho, como dirigente do país. Não há dúvida que, de sua boca, ouvir-se-ão, principalmente, relatos vitoriosos, ao lado de "algumas falhas". Prognosticamos que ressoarão no ar encomendados cumprimentos de regiões, como que "agradecemos, apoiamos, aprovamos!". Entretanto, a maioria dos ukrainianos tem uma visão diferente sobre a atuação do atual presidente.

 
Ataque de Buldôzer

Viktor Yanukovych entrará para os manuais políticos como governante, o qual com "leve movimento da mão", sem pedir o consentimento dos eleitores, concentrou em suas mãos, inteiramente, todo poder. Poucos dias lhe foram suficientes para esmagar toda Reforma Política de 2004 e tornar-se "tzar" plenipotenciário. Pelo caminho de manipulações jurídicas formou "sob seu comando" a maioria parlamentar que o compreende a um olhar severo e, obediente, realiza absurdos comandos. O Parlamento deixou de ser independente, auto-suficiente e prestigioso órgão de Estado.
O Parlamento orienta-se pelo aceno do dirigente dos "regionais" (partido do presidente), Chechetov, que recebe a "partitura" cada manhã do gabinete presidencial.
Os políticos vendáveis tornaram-se respeitáveis. No léxico político estabeleceu-se a palavra "tushka" ("carapaça", assim denominados os políticos que, individualmente abandonam seus partidos e ingressam no partido dominante - O.K.).
Mesmo o aparentemente crítico ao governo "buldôzer", Leonid Kravchuk (primeiro presidente após a independência - O.K.) rebatizou-o de "estável" e iniciou os trabalhos para o aperfeiçoamento da já rasgada em pedaços Constituição (encarregado pelo presidente - O.K.)
Yanukovych transformou o Tribunal Constitucional em órgão auxiliar onde todas as decisões importantes são tomadas com orientação da Administração Presidencial. Muitos antes dos juízes entrarem na sala do júri os "locutores" do Partido das Regiões já sabem qual será o texto da decisão. Subalternos da Administração Presidencial tornaram-se a Procuradoria Geral, o Serviço de Segurança da Ukraina, o Ministério do Interior. Conforme ordem publicada até o brutal espancamento de deputados qualificam como equívoco. . .
Os amigos, naturais de Donetsk (província do presidente) ocuparam todos os postos-chave no país. Sob a égide presidencial a Procuradoria Geral da Ukraina, o Conselho Superior da Justiça, o Banco Nacional e outras instituições. No aparelho do Estado floresce o nepotismo característico de regimes "bananeiros".
O comando do Yanukovych tomou a igreja para seu "patrocínio". Demonstra atitude reverente e dá preferência, exclusivamente, a uma única confissão, cujo requisito é a palavra "moskovita". A Oração da Manhã na TV estatal é transmitida no idioma "compreensível a todos" (russo - O.K.)
Houve a tentativa de apossar-se até do comando superior do futebol. Apenas a advertência ameaçadora das apolíticas FIFA e UEFA paralisaram o pretendido. Pelo menos até julho de 2012, até a realização da Copa Euro.
Ukraina, junto a Yanukovych, segundo exemplo da Rússia, se converterá em país com "democracia dirigida". A brutal pressão é aplicada a todos os opositores do governo. Eles são intimidados com as chamadas para "conversas" repetitórias às promotorias, isolamentos na prisão, pressão sobre parentes e amigos. Aprisionaram, entre outros, o ex-ministro do Interior, o qual assinou um documento profissional discutível e ofereceu flores às viúvas de policiais, mas liberaram, apenas com assinatura de não ausência do país, o filhinho de deputado, o qual afogou uma pessoa amarrando-lhe nas costas uma bateria de aquecimento central . . .
Dos principais canais de TV desapareceu ou se tornou regulada a avaliação das ações do governo. Em contrapartida apareceu mais entretenimento. "Viver ficou melhor, mais divertido!".
Os meios de comunicação que se atrevem a chamar os bois pelos nomes, correm o risco de desaparecer. Temos uma história sem precedentes de cassação das licenças do "Canal 5" e "TVi", processos judiciais contra jornalistas e uso de força física contra eles. Um deles, jornalista de Kharkiv Vasyl Klymentiev, o qual "guiava para águas claras" o governo local, não conseguem localizar a mais de seis meses. O assassinato de G. Gongadze (jornalista assassinado há mais de dez anos e cujo corpo foi encontrado sem cabeça), no interesse de seus aliados políticos, deixou de ser considerado crime encomendado. Na avaliação da liberdade de expressão a Ukraina caiu 42 posições, encontra-se abaixo de Iraque. Denominam-nos país "parcialmente livre".
Com uma só canetada o presidente prolongou em 1/4 de século a permanência de tropas estrangeiras (russas) e, em troca de ilusórios benefícios desfez-se de urânio altamente enriquecido.
O compasso do governo ukrainiano constantemente aponta para o nordeste. Até soam apelos para adotar o horário de Moscou (já não é mais de acordo com o Sol? - O.K.)
Para satisfazer os vizinhos, os zelosos funcionários ukrainianos reescrevem a história, lutam com os heróis. Mas ficam mudos quando Kremlin humilha os ukrainianos, declarando que, mesmo sem eles teriam vencido a II Grande Guerra, (desrespeito aos muitos que faleceram nos campos de batalha -O.K.) quando liquidam as organizações e bibliotecas ukrainianas. Pela destruição do busto do líder totalitário (busto de Stalin, na Ukraina. O governo ukrainiano colocou pessoas atrás das grades e aplicou torturas físicas machucando-as e deixando sem atendimento médico até as feridas tornarem-se purulentas. Pessoas apenas suspeitas - O.K.), mas nunca acha os destruidores dos obeliscos em memória do Holodomor (morte pela fome, em 1932-1933, genocídio contra nação ukrainiana, protagonizado por Stalin e que exterminou, aproximadamente, 7 milhões de ukrainianos - O.K).
O idioma ukrainiano anda desprestigiado. É desrespeitado e insultado mais do que nos tempos da União Soviética. É chamado de língua de "gado".

Palavras vazias sobre o direito dos pobres . . .
Um ano atrás, em seu discurso de posse, Viktor Yanukovych prometeu melhorar a vida de todos. Agora o governo fala sobre o crescimento do PIB em 4,5%, redução de 15% para 5% do déficit orçamentário, aumento de 30% nas exportações, redução da inflação de 13% para 9%.
No entanto, o investimento estrangeiro caiu de 40 bilhões em 2009 para 6 bilhões em 2010 apesar da assinatura do Tratado Naval e anunciado desconto do gás russo que acabamos pagando mais que antes para nação "irmã". Moscou deu desconto no preço do gás . . . para Europa Ocidental, mas para Ukraina "esqueceu". (Por mil m³ Grã Bretanha paga 190 dólares, Alemanha e França 270, Ukraina 264 - O.K.).
Aumentou o preço dos combustíveis, subiram as tarifas comunais, assustam as pessoas com multas e juros - embora a qualidade dos serviços não melhorou.
Ao atraso dos salários adiciona-se o não pagamento das licenças médicas. Já está pronto o projeto para cassação de bonificações de 16 categorias de cidadãos, incluindo os sobreviventes de Chernobyl, os inválidos, os veteranos de guerra, os trabalhadores de profissões perigosas. O governo assustou a nação com uma repentina reforma na aposentadoria e Códigos discriminatórios de Trabalho e Habitação.
Anteriormente Yanukovych acusava seus antecessores por causa da crise do açúcar e da carne, mas sua equipe provocou pânico devido a falta de óleo, trigo (sempre foi uma grande riqueza - O.K.) "hrechka". (Uma espécie de trigo - no Brasil praticamente desconhecido. Minha mãe preparava com leite, tipo mingau. Não sei como fazem na Ukraina, outro dia li que na falta deste produto estão passando para o arroz que é importado, portanto caro. Estão importando "hrechka" também - O.K.). Grande alta de preços nos remédios. . . E isto, apesar das promessas de proteger os alimentos essenciais e remédios das flutuações de mercado. Os peritos concordam que o nível de inflação no atual Gabinete Ministerial deliberadamente escondem.
Viktor Yanukovych prometeu, aos pequenos e médios empresários, moratória em relação aos impostos, mas preparou uma verdadeira "forca". Levados ao desespero eles acamparam nas praças, mas suas principais reivindicações não foram ouvidas. Durante o evento o governo ameaçou os empresários de transporte para que não fornecessem ônibus a Kyiv, evitando assim grandes manifestações na Capital. Ao término iniciou-se o interrogatório nas promotorias aos que mais se destacaram na organização.
Yanukovych prometeu realizar uma reforma administrativa, encurtar o aparelho governamental, mas apenas mudou os funcionários para outras cadeiras - com os mesmos salários e benefícios.
Fecham-se escolas em aldeias, "otimizam-se" os serviços de saúde. Por exemplo, a alguns meses, para os habitantes da aldeia Beresdivtsiv, em Lviv, a ambulância precisava percorrer um quilômetro, agora este caminho tornaram sete vezes mais longo.
"Melhoria de vida hoje" ocorre na esplendorosa vivência de pessoas-vip. Última notícia - na reforma de apenas uma residência presidencial, em Huti, Ivano-Frankivsk, gastaram 33 milhões de "hrevnhakh (moeda local). Mais de 100 mil custou o aluguel do vagão no qual viajou o presidente em sua visita a Tóquio, 16 milhões de dólares pagaram pelo helicóptero para uso presidencial. Milhões foram gastos para preparação de pracinhas para este helicóptero. Dois milhões para estacionamento dos carros oficiais. E, nós ainda lembramos-nos de 135 hectares de área preservada "Mezhyhiria", da qual o presidente apropriou-se e onde, além de diversas construções e marina no rio, cria avestruzes . . .
Para Yanukovych algumas pessoas olham entusiasticamente, outras com medo e desilusão. Para alguns ele agrada quando franze as sobrancelhas, outros enrubescem quando ouvem suas confusões geográficas e suas "pérolas" literárias. Alguém diz que foi Deus quem enviou-o à Ukraina (diretor teatral russo Mykyta Mykhalkov, e alguém acredita que Ukraina não teve sorte com o quarto presidente. Para confirmar ou refutar essas estimativas Viktor Yanukovych tem mais quatro anos.

Tradução: Oksana Kowaltschuk
Fotoformatação: A. Oliynik

sexta-feira, 25 de março de 2011

O QUE É "MUNDO RUSSO"? - “Рускій мір”?

05.03.2011
Ihor Losyev
O que é “Рускій мір”? - ("Mundo russo")?

Quem hoje vai determinar o valor do "Mundo russo?" Evidentemente, isso só pode acontecer na Rússia, e somente no Patriarcado de Moscou e algumas outras estruturas como a Administração presidencial, o FSB (Serviço Federal de Segurança), SVR (Serviço de Inteligência Externa), GRU (Direção Principal de Inteligência) etc.
A civilização russa na verdade tem certas características que a impedem assemelhar-se à Europa ou Ásia, porque tem traços de Bizâncio, considerados por muitos russos cultos, até hoje, como matriz original de sua cultura e história.
Bizâncio, como sabemos, era um Estado ideocrático onde a ideologia era fundamental nas decisões, muito mais importante do que a vida real. Os aspectos simbólicos dominavam a pragmasticidade. A ideologia era o sustentáculo, mas o chefe de Estado tinha a palavra final em todas as disputas ideológicas. Rússia herdou inteiramente essa primazia da ideologia bizantina sobre a vida, especialmente quando o Estado, na pessoa de seu líder, e sua igreja oficial, se apresenta como principal e único ideólogo, que não aceita concorrência e, na melhor das hipóteses poderá apenas aceitar a existência de concorrentes puramente marginais.
Os "Tzares" russos tinham precedência em relação aos metropolitas e patriarcas da igreja russa, o que inteiramente inseria-se no esquema bizantino do "cesarepapismo" (reciprocidade entre o governo do imperador e igreja em Bizâncio, quando, de fato, o imperador também era o presidente da igreja - O.K.). Era o "Tzar" moscovita que decidia quem estava com a razão, neste ou naquele conflito ideológico. Depois de Pedro I, quando os russos tomaram conhecimento que existe um outro mundo ocidental, com tendências seculares (divisão da existência social em duas esferas de igualdade de direitos - laica e espiritual), a igreja, como co-autora da autoridade "tzarista" no reino ideológico foi deslocada para segundo plano, o que, principalmente, foi acusado pela cassação do Patriarcado de Moscou e sua substituição por Santíssimo Sínodo sob o controle total do Estado. Isto privou, por determinado tempo, o já império de Petersburgo da ideologia ortodoxa imperial da anterior totalidade. Por isso, no início do século XIX foi formulada uma nova e fundamental ideologia de sincretismo religioso - estatal: "ortodoxia, monarquia (absoluta), povo. (Seu autor foi o Ministro do Ensino conde Uvarov).
Depois de 1917, no bolchevismo, a totalidade da ideologização na vida da Rússia vermelha alcançou a esfera mais ampla. A versão russificada do marxismo assumiu a missão de esclarecer tudo para a vida dos súditos do império comunista. Essa ideologia fundamentava cada passo não apenas no interior do país, mas também todas as ações da URSS no mundo. Todo líder do partido comunista deveria ser também seu maior teórico, que "criativamente fomenta o marxismo-leninismo". Os lideres menores também deviam ser ideólogos de menor calibre e, portanto, obrigatoriamente, tinham consigo um livro, não escrito por eles, ou pelo menos uma coleção de textos de seus discursos ou apresentações públicas, sobre o marxismo. O poder político da URSS era impossível sem a auréola ideológica, sem participação da "ideocracia de tradições sagradas". No entanto, na União Soviética o centro ideológico devia ser único, sem permissão para nenhum centrismo político. Precisamente a ideologia, ao lado da violência por parte dos funcionários específicos, e da enorme máquina burocrática mantinha o império comunista, de etnias extraordinariamente diversas, da segregação.
Orfandade ideológica do pós-comunismo russo
Após 1991 tornou-se claro que a Federação Russa tendo mísseis, funcionários específicos, nafta e gás, não tinha um sistema totalmente ideológico que justificasse este Estado e sua aspiração para uma desenfreada expansão externa, em primeira etapa, entre os limites territoriais da antiga URSS. A presença do caos ideológico, divergência de opiniões, concorrência de idéias, que é norma numa comunidade democrática, essencial para uma formação cadenciada de idéias e consenso, assustava os russos (e não somente os governantes). Isso era absolutamente insólito, pois em toda sua história secular, Rússia viveu não mais que 20-30 anos de liberdade ideológica. E estes poucos anos consideravam-se em historiografia, na maioria dos casos, como ruína.
Aos russos parecia, e parece que a liberdade espiritual é extraordinariamente perigosa e pode conduzir à desintegração da Rússia, como aconteceu com a União Soviética.
Bóris Iéltsin exigia dos políticos e cientistas conceberem a idéia nacional russa. Era necessária a mais alta sanção ideológica para todas as etapas práticas do Estado russo para criação do próprio neo-império, potente centro de força na arena mundial. O que poderia vir a ser fundamental para tal complexo ideológico? Certamente não faliu a idéia comunista. Nem o nacionalismo russo na aparência genuína, porque ele criava problemas nos territórios nacionais da própria Rússia, não mencionando os Estados vizinhos.
Muito perspectiva se apresentou a global e nacionalista idéia do "Mundo russo". Ela deve ser nacionalista para os russos étnicos e supranacional para os não russos. Como maior propagandista desta idéia projetou-se o Patriarca de Moscou.

Ações de conquista do Patriarca Cirilo

Putin (C) Patriarca Cirilo (D)
Segundo o pensamento do líder da Igreja Ortodoxa russa, anunciado na IV Assembléia do "Mundo russo", o "Mundo russo" é uma civilização única, não é ocidental nem oriental, e se contrapõe a todas as outras na ideologia, mentalidade e ética. São estes três elementos que persistem pela fronteira invisível entre ele e outros "mundos". Entretanto, geograficamente e historicamente este "mundo" prende-se não a outros territórios étnicos russos, mas a Kyiv e Dnipró. É como se fosse justamente aí, há mil anos, no pensamento de Cirilo que tivesse nascido este "Mundo russo". É a tentativa de imposição da atual rede de idéias político-culturais russas a Ukraina atual convertendo-a em robô de subsistema do sistema russo. Nesta ideologia neo-imperial tudo se constrói no subsolo de todo o sistema de mitos históricos.
O Patriarca de Moscou, não obstante dados históricos, novamente produz o quadro do nascimento da Rússia... nas margens do Dnipró.
E o esquema virtual-globalista do "Mundo russo" é propenso a dissolver completamente a Ukraina e tudo o que é ukrainiano (como a Bielorrússia e tudo o que é bielorrusso) na imensidão russa. Ele novamente, como nos tempos do império russo e URSS identifica a idéia "ruskyi" e "rosiyskyi", "Rus" e "Rússia"¹. Entretanto faz certa cortesia para o lado ukrainiano para entrar em acordo, porque atualmente a identificação no estilo Karamzin (historiador russo, 1766-1826) parece muito cômica.

Nikita Khrushchov
Neste "Mundo russo" a Igreja Ortodoxa russa deve distinguir-se com a peculiaridade de policial ideológico e carcereiro que não reconhece fronteiras. Neste papel, de acordo com Cirilo, a sua igreja tem a sanção diretamente de Deus. Em outras palavras trata-se de uma estrutura "escolhida por Deus" que atribuía a si o direito de dispor do destino histórico de outros povos e países. Particularmente causa impressão a frase do dirigente da Igreja Ortodoxa russa do Patriarcado de Moscou (ROC-MP): Nós definimos o que é bom ou ruim com base em valores do "Mundo russo". Isso lembra bem as palavras de Lênin no Terceiro Congresso do Komsomol russo: "É moral tudo o que serve à causa do proletariado". Mas então, como agora, a pergunta é: quem define exatamente o que serve, e o que - não? Primeiramente isso definia Lênin, depois Stalin, depois Nikita Khrushchov, e depois Leonid Ilyich Brezhnev.

Leonid Ilych Brezhnev
Quem hoje vai determinar o valor do "Mundo russo?" Evidentemente, isso só pode acontecer na Rússia e somente no Patriarcado de Moscou e algumas outras estruturas como a Administração presidencial, o FSB (Serviço Federal de Segurança), SVR (Serviço de Inteligência Externa), GRU (Direção Principal de Inteligência) etc. Mas o hierarca da igreja e bispo cristão, se ele serve a Cristo, não a César (ou quer ser o próprio César) não deveria assumir os valores ideológico-geopolíticos, e sim os valores do Evangelho.
Aqui nós vemos tentativas de criar uma superestrutura russa com rígido controle político e ideológico dos Estados recentemente independentes da antiga União Soviética, e se levar sorte, até mesmo sobre os Estados da península dos Bálcãs. É o desejo ideológico-político sobre os países vizinhos, e esta sede de dominância não conseguem ocultar as doces palavras do Patriarca Cirilo. As diligências do Patriarca mais uma vez convencem: Rússia absolutamente não pensa em se tornar democrática, ela pretende permanecer autoritária e despótica. E todas as declarações sobre "democracia e soberania" destinam-se apenas para enganar a opinião pública mundial. A perspectiva de criação do "Mundo russo" obriga lembrar os 70 anos de formação do "povo soviético", e seu resultado final.
(¹) "Rus" - antigo nome da Ukraina, do qual Rússia se apoderou, transformando-o em Rússia. Ver o artigo anterior: Gênese da Ucrânia). "ruskyi" - natural da "Rus" "rosiyskyi" - natural da Rússia.

Tradução: Oksana Kowaltschuk
Fotoformatação: A.Oliynik


quarta-feira, 23 de março de 2011

BYKIVNIA


Bykivnia é uma aldeia localizada a noroeste de Kyiv. A origem do nome é desconhecida.
Nesta aldeia, nos anos 1930 e início dos anos 1940, antes da ocupação de Kyiv pelos alemães, foram criadas condições para realizarem-se aí, enterros em massa de pessoas represadas e executadas em Kyiv, pelos órgãos de NKVS (órgão anterior a NKVD), que funcionava em 1937-1938, os anos do Grande Terror.
O órgão local, responsável pelos aprisionamentos e destino dos presos geralmente compunha-se de três pessoas da província sob a orientação geral de Mykola Yezhov (Yejov).
Visava os antigos "kurkuli" (aldeões, ex-proprietários de terra nas aldeias), malfeitores e todos os que, de alguma maneira se opuseram, ou poderiam vir a se opor (pessoas mais esclarecidas nas comunidades) ao domínio soviético. Também o clero rural e antigos participantes de partidos de oposição.
As sentenças compreendiam duas categorias: fuzilamento e envio para os "gulags" (prisões – campos de concentração onde as pessoas eram submetidas a trabalhos forçados). Poucos sobreviveram devido às péssimas condições: exigiam-se quotas extenuantes no trabalho, má alimentação e frio intenso quando eram destinados aos "gulags" de regiões frias como as Ilhas Solovki, Sibéria etc.
A ordem da NKVS nº 00447, de 30/07/1937 dispunha sobre as repressões e, a partir de agosto de 1937 a novembro de 1938 foram aprisionados de 800 mil a 820 mil pessoas, das quais, no mínimo 350 mil a 445 mil foram exterminadas. O restante foi enviado aos "gulags".
As ordens iniciais determinavam quotas - aprisionar 233.700 pessoas, 59.200 delas fuzilar -- quotas freqüentemente superadas pelo trio local para mostrar dedicação e conseguir destaque.
As operações executadas sob essa ordem receberam a denominação "Grande Terror".
Essa ordem somente veio a público em 1992. Os documentos encontrados indicam que o Partido Comunista da União Soviética e seus dirigentes desempenharam participação ativa na organização das perseguições e execuções em massa.
Em Bykovnia foram enterradas 120 a 130 mil pessoas. Essa tragédia equipara-se às tragédias de Auschwitz, Bukhenwald, Dachau, Babyn Yar, Katyn ...
Em 1944 - 1945 também foram enterrados ali, no fundo da mata, os militares da União Soviética aprisionados pelos alemães durante a II Grande Guerra, e pessoas da comunidade, que o exército alemão enviava à força para trabalhos forçados na Alemanha e que retornavam à Pátria, do cativeiro. Foram encontrados cadáveres de fuzilados, em grande quantidade.
Ainda durante o governo da União Soviética, com o intuito de atribuir aos alemães todas estas atrocidades, realizaram-se quatro comissões para averiguar os fatos. As três primeiras acusaram o fascismo alemão. Somente a quarta, sob pressão da população atribuiu a ação criminal ao NKVS.
Em 30/04/1994 ocorreu a abertura do complexo à memória das vítimas do regime comunista.
Em 21/05/2006 o ex-presidente Victor Yushenko assinou o decreto que dá à reserva de memória histórica "Túmulos de Bykivnia" a condição de Nacional.
Em 28/10/2006, com a bênção do Patriarca Filaret, o Arcebispo Dymytryi, de Pereiaslav, encabeçou a missa de réquiem dedicada ao traslado de 817 vítimas do regime comunista na floresta Bykivnia.
A floresta Bykivnia é o último lugar de repouso para mais de 100 mil pessoas inocentes que morreram fuziladas, após serem detidas pelo NKVS, os serviços sociais soviéticos.
Pesquisa: Internet
Oksana Kowaltschuk
Fotoformatação: A.Oliynik
Fotos de Viktor Kruk

video


A SEGUIR ALGUMAS IMAGENS RESULTANTES DO RASTRO DEIXADO PELO COMUNISMO RUSSO




























sexta-feira, 18 de março de 2011

O COMUNISMO, O NAZISMO E O GENOCÍDIO NA UCRÂNIA

O documentário "The Soviet Story" com legendas em português, realizado pelo cineasta e cientista político da Letônia, Edwin Snore, revela como a União Soviética ajudou a Alemanha Nazista a se preparar para a Segunda Guerra Mundial. Snore passou 10 anos coletando informações e dois anos filmando em vários países. Apresenta ainda os crimes soviéticos contra a humanidade e contra a Ucrânia onde assassinou sete milhões de seres humanos, através da fome e das deportações em massa para os campos de concentração. Sublinha as semelhanças entre a Alemanha nazista e Rússia soviética e a mútua colaboração entre os dois sistemas totalitários e socialistas. Aponta a indolência e apatia da Europa atual, carente de ânimo para condenar os crimes comunistas contra a humanidade, em parte, por se deixar levar pela pressão política feita pela atual Rússia.
NOTÍCIAS da Ucrânia inicia aqui a série de apresentações deste documentário que mostra como funciona a "ternura" comunista.
O documentário está dividido em 13 (treze) partes. Assista-as, não apenas como registro histórico, mas com visão de um regime que está sendo reimplantado na Ucrânia e implantado no Brasil e você não está enxergando. O "paraíso" comunista se concretiza com nova roupagem, por assimilação na Ucrânia e por métodos gramscianos no Brasil, ambos tendo o mesmo efeito devastador e totalitário. Quem viver, verá.

video
 Parte 1

video
Parte 2

video
Parte 3

video
Parte 4

video
Parte 5

video
Parte 6

video
Parte 7

video
Parte 8

video
Parte 9

video
Parte 10

video
Parte 11

video
Parte 12

video
Parte 13 (Final)

sexta-feira, 11 de março de 2011

UCRÂNIA: Vitima do comunismo russo

Realismo comuno-socialista

Foto nº 1
1. Holodomor, ou a Grande Fome na Ucrânia de 1929 a 1932.
O povo ucraniano foi vítima de uma das maiores atrocidades do século XX: o extermínio pela fome, deportações em massa e terror, de 7 a 10 milhões de ucranianos, sem contar algumas outras nacionalidades soviéticas. Se os judeus tiveram o "holocausto" ou o Shoah, os ucranianos e outros demais povos sob o jugo soviético comandado por Jósef Stálin (Ioseb Besarionis Dze Jughashivili) tiveram o holodomor, ou a "morte pela fome", em língua ucraniana. Ao coletivizar a terra dos camponeses, Stalin deportou, pela força, milhões de cidadãos para as fazendas coletivas do Estado, ou os kholkozes. No entanto, devido aos maus tratos e ao tratamento análogo de escravos com que eram tratados, os camponeses se rebelavam e fugiam das fazendas, além de esconder os grãos dos alimentos, para sua própria sobrevivência, uma vez que o Estado confiscava a maior parte dos cereais. A mesma crise que matou milhões na Rússia, em 1921, ameaçava se repetir de novo, na coletivização. Todavia, Stalin não estava preocupado com isso. Como os agricultores resistiam ao confisco de seus bens e propriedades rurais, ele simplesmente usou a "arma da fome" para subjugar o campesinato soviético. Grandes extensões da Ucrânia tiveram seus grãos confiscados, e como uma massa de esfomeados fugia para as cidades, o regime comunista fechou as fronteiras das cidades, deixando a população morrer à míngua de fome. A polícia política soviética, para controlar os passos dos fugitivos da fome no meio rural, impôs um sistema de passaportes, para fiscalizar o direito de ir e vir dos cidadãos. Quem fosse pego sem passaportes, poderia ser deportado para seu local de origem, para os campos de concentração ou então seria fuzilado. Muitas crianças esfomeadas fugiam pra Moscou e eram mandadas de volta para a Ucrânia, para morrerem lá. Stalin ainda decretou uma lei perversa, chamada pelo povo como "lei das espigas": bastava o roubo de alguns grãos de alimentos, para imputar anos de cadeia ao infrator. Ou quando não iam para seu país de origem, alguns camponeses eram mandados para o "gulag" ou como "colono especial" na Sibéria, em condições de vida desumanas. Eram usados como mão de obra da GPU, a então polícia política da época, em regime de trabalhos forçados, onde uma boa parte morria de maus tratos e exaustão. A foto nº 1 acima é uma pilha de cadáveres abandonados num cemitério, causada pela fome.

1.1 Cenas do Holodomor.


 Foto 2
Corpos abandonados em um cemitério ucraniano.


 Foto 3
Os transeuntes indiferentes, enquanto outros agonizam pela fome. . .

 Foto 4
Nem os animais são poupados da penúria. . .

 Foto 5

 Foto 6
A morte como espetáculo cotidiano. . .


 Foto 7

 Foto 8


 Foto 9
Crianças ucranianas famintas. . .

 Foto 10

 Foto 11


 Foto 12

 Foto 13
Cadáver de uma camponesa ucraniana.


Matéria publicada originalmente no blog "Conde Loppeux de la Villanueva" a quem são devidos os créditos.

EIS O QUE OS COMUNISTAS SABEM PRODUZIR COM PERFEIÇÃO!

O CAOS HUMANO
~~~~~~~~~~~~

Lembrando o Holodomor

Autor - ex-Presidente da Ucrânia Viktor Yushchenko

Setenta e cinco anos atrás, o povo ucraniano foi vítima de um crime bárbaro. No Ocidente, foi denominado de "A Grande Fome". Em nosso país, a Ucrânia, é conhecido como "Holodomor". Trata-se de uma campanha organizada de fome coletiva que, nos anos de 1932 e 1933, exterminou, de acordo com diversas estimativas, entre sete e dez milhões de cidadãos, incluindo um terço de todas as crianças da Ucrânia. Através de uma forma hedionda de mitigar a dimensão do acontecimento, o Estado soviético denominou o fato como uma mera "frustração de safra". Dirigentes soviéticos pretendiam evitar responsabilidade e esconder a real intencionalidade, as causas e as conseqüências dessa tragédia humana. Apenas isso seria o bastante para fazer uma pausa e honrar a memória das vítimas.
Durante as longas décadas de Estado soviético, para os ucranianos era perigoso discutir seu maior trauma nacional. Qualquer comentário sobre "Holodomor" era considerado um crime contra o Estado. As memórias das testemunhas e artigos de historiadores como Robert Conquest e James Mayes (já falecido), foram proibidos, pois eram considerados propaganda anti-soviética. No entanto, cada família ucraniana, através de suas memórias, sabia sobre a magnitude do acontecido. Os ucranianos sabiam que tudo isso foi perpetrado intencionalmente para punir a Ucrânia e destruir a sua base nacional. Em memória das vítimas e para restabelecer a verdade histórica, a Ucrânia independente luta atualmente por uma melhor compreensão e reconhecimento do "Holodomor", tanto dentro do país como em todo o mundo.
As nossas ações não são ditadas por um desejo de vingança ou tendenciosas opiniões políticas. Sabemos que os próprios russos foram as principais vítimas de Stalin. A última coisa que passa por nossa cabeça é atribuir culpa aos atuais herdeiros do Estado Soviético. Nosso único desejo é, apenas, conseguir compreender o que realmente aconteceu. É por isso que o parlamento ucraniano aprovou no ano passado uma lei sobre o reconhecimento do "Holodomor" como ato de genocídio. Por isso, peço a nossos amigos e aliados para apoiar este ponto de vista. Quando o mundo é indiferente por causa da amnésia histórica, ou da falsificação da história, está condenado a repetir seus piores erros.
"Genocídio" é um termo muito pesado e alguns ainda contestam sua aplicabilidade para o que aconteceu na Ucrânia. Por isso, deve-se voltar à definição legal desse crime, consagrada na Convenção das Nações Unidas sobre Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, datada de 1948. Assim, considera-se como genocídio "quaisquer atos cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, a nível nacional, étnico, racial ou religioso, qualquer desses grupos", incluindo "deliberadamente infligir sobre o grupo condições de vida calculadas para trazer a sua destruição física, total ou parcial". "Holodomor" é inteiramente coerente com esta definição. É digno de nota que isso se enquadra ao pensamento de Raphael Lemkin, um advogado cientista, que detém a autoria da Convenção sobre Genocídio.
Hoje em dia, existem muitos materiais históricos especificando os pormenores da política de coletivização forçada de Stalin e do terror de fome dirigido contra a Ucrânia. Outras regiões da União Soviética também foram fortemente afetadas. Mas a liderança soviética tinha uma finalidade velada para a perseguição e tortura de fome contra o campesinato ucraniano. Isto foi parte de uma campanha para reprimir a identidade nacional ucraniana e o desejo de soberania nacional. Como comentou alguns anos antes o próprio Stalin "não se tem um movimento nacional poderoso sem o exército camponês <...> essencialmente, a questão nacional é a questão camponesa". Na tentativa de reverter a política de "ucrainização", o que contribuiu para a limitada autonomia cultural e política, ao longo da década de 1920, Stalin decidiu derrubar o campesinato, que compunha 80% da nação. A resolução para a questão nacional da Ucrânia foi realizar um massacre por meio da fome.
Os métodos de Stalin incluíam uma determinação astronômica de recolhimento de produção agrícola para os estoques do Estado, que eram impossíveis de cumprir e que não deixava nada para alimentar a população local. Quando o plano não se concretizava, tropas eram enviadas à região. Até ao final de 1932, aldeias e regiões inteiras foram isoladas, transformadas em guetos de fome, cujos nomes foram registrados nas listas negras do Regime. Todo esse tempo, a União Soviética continuou a exportação de cereais para o Ocidente e até mesmo a produzir álcool. No início 1933, a liderança soviética decidiu reforçar radicalmente o bloqueio das aldeias ucranianas. Como resultado, todo o território da Ucrânia foi cercado por tropas e todo o país se transformou em um enorme campo da morte.
Um claro direcionamento antinacional de Stalin estava em curso de ação e percebia-se nitidamente uma campanha contra as instituições e os indivíduos que tinham contribuído para o desenvolvimento da vida cultural e social do povo ucraniano. Entre as vítimas destacamos: a Academia de Ciências da Ucrânia, a Editora da Enciclopédia Ucraniano-Soviética, a Igreja Ortodoxa Ucraniana e, no fim, o próprio Partido Comunista da Ucrânia. Foi uma campanha sistemática contra o povo ucraniano, a sua história, cultura, linguagem e estilo de vida.
O "Holodomor" foi um ato de genocídio, que foi concebido para esmagar o povo ucraniano. O fato de que a tentativa fracassou e agora a Ucrânia vive como uma nação independente e soberana, não dá o direito de diminuir a gravidade do crime. Também não nos isenta da responsabilidade moral de reconhecer o que ocorreu. No septuagésimo quinto aniversário, devemos, perante as vítimas do "Holodomor" e de outros genocídios ser justos em relação ao nosso passado.

WSJ, 26.11.2007
Fonte: Consulado da Ucrânia em Curitiba consulucr@onda.com.br
O genocídio do povo ucraniano por Stalin e o comunismo russo continua em 1937 e depois em 1947.

 Foto 14

Vinitsa, Ucrânia, 1937-1939: cadáveres de prisioneiros políticos ucranianos, assassinados pela NKVD[1].


[1] A NKVD mais tarde foi transformada em KGB.